Jovem paraense cria sistema de produção que integra três cadeias produtivas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Que tal uma propriedade que seja modelo de produção integrada, com culturas diferentes, cada uma contribuindo para o desenvolvimento da outra? Pois esse espaço existe em Capanema, no Pará, e foi criado por Edivaldo Júnior, ex-participante do programa CNA Jovem, do Sistema CNA/SENAR. Com o nome Projeto Agroeduca: Produzindo para o Futuro, o jovem propõe um modelo de produção integrado, tecnológico e sustentável com a produção de peixes, frangos e hortaliças.

“Iniciei o projeto durante o programa CNA Jovem, quando nossa equipe pretendia falar sobre ‘educação: o que o mundo pode ensinar ao campo brasileiro’, e uma das principais motivações que me levaram a tocar o Agroeduca foi o Programa de Mentoria que participei logo após o CNA Jovem. Como a proposta inicial era macro e faltavam recursos para inicia-la, aproveitei as características da produção de hortaliças da minha região e comecei a tocar o projeto com recursos próprios no meu município. A ideia era criar uma mini propriedade rural didática em parceria com escolas, onde os alunos pudessem aprender sobre as atividades do campo com interação nas disciplinas”, explica Edivaldo.

A iniciativa é inovadora no estado, que concentra boa parte da água doce do planeta e possui potencial para produção de peixes. O sistema é voltado para pequenos espaços porque otimiza o tempo de produção e proporciona mais resultados, o que faz com que se diferencie do sistema tradicional, argumenta Edivaldo Jr. “Além de obter resultados mais significativos com menor consumo de água, menos mão de obra e produtos livres de defensivos agrícolas. A ideia é mostrar que mesmo em pequenos espaços é possível se produzir de forma rentável e eficiente.”

A integração das culturas começa com o frango sendo produzido em sistema semiconfinado, com a produção de carne e da cama aviária, que depois é utilizada como base do composto para as hortaliças, que por sua vez são produzidas em sistema de mulching (cobertura de solo) e com fertirrigação por gotejamento, utilizando a água dos peixes que são criados na propriedade em aquapônia. Edivaldo toca o projeto com a mãe, que recentemente concluiu junto com ele o curso Técnico em Agronegócio do SENAR.

“A produção dos peixes é o coração do sistema, pelo fato de produzir os nutrientes necessários para o desenvolvimento dos vegetais, pois os mesmos excretam amônia e, quando metabolizada no sistema de filtragem, é transformada em nitrato para assim ser distribuída nas plantas. Como também os demais nutrientes dissolvidos na água após a metabolização nos peixes, os resíduos servem de fonte nutricional para os vegetais. Dentro da unidade experimental que fica localizada em uma área de 160m², temos a produção de aproximadamente 200kg de peixes por ciclo de oito meses aproximados, 400 maços de hortaliças por ciclo de 45 dias e 50 frangos caipirão a cada 90 dias”, conta o técnico que também é biólogo. Os produtos começaram a ser comercializados na vizinhança e entre os participantes do projeto, mas a ideia de Edivaldo é criar pequenas feiras futuramente para vender a produção.

Ao lado de 25 alunos de Agronomia, Ciências Biológicas e Administração da Universidade Federal Rural da Amazônia que estagiam no projeto, Edivaldo Júnior quer adequar as tecnologias à região e difundi-las para as comunidades. “Queremos implantar as unidades em escolas e comunidades da região, com o objetivo de fomentar a produção agrícola e difundir essas tecnologias que são pouco empregadas em nossa região. Hoje já temos a promessa de implantar o modelo em um abrigo para idosos, duas comunidades rurais e duas escolas de educação básica.”

Parcerias

O Agroeduca: Produzindo para o Futuro conta ainda com a parceria do Núcleo Regional Bragantino do SENAR Pará, que oferece as capacitações necessárias para o desenvolvimento das ações em Piscicultura, Horticultura, Avicultura e Administração rural e empreendedorismo. Os cursos de Formação Profissional Rural (FPR) são ofertados para os beneficiários e alunos do projeto. “Como sou instrutor credenciado no Núcleo, fico responsável pelos cursos de Administração Rural e de Piscicultura e mais dois instrutores trabalham a parte de Avicultura e Horticultura”, explica Edivaldo.

O jovem conta que para ampliar o projeto em pelo menos mais três municípios do estado, está em busca de parcerias com associações e cooperativas da região para obtenção de recursos. “Temos grandes possibilidades de desenvolvimento e estamos na busca de novos parceiros para ampliação das ações. Produzir com qualidade e responsabilidade social é a nossa marca”, finaliza.

Fonte: Assessoria de Comunicação do SENAR

Publicidade