Índice de isolamento social em Parauapebas é um dos mais baixos do Pará

Na capital do minério, 57,8% da população circulavam de um lado para outro na quinta, revela empresa de geolocalização, que capta informações de dispositivos móveis dos brasileiros.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Os constantes clamores das autoridades sanitárias e até do governador do Pará, Helder Barbalho, para manter o isolamento social a fim de evitar o alastramento da pandemia do coronavírus ainda não foram suficientes para sensibilizar metade dos paraenses. Isso porque, enquanto o número de casos de Covid-19 tem disparado nos últimos dias, 52,55% da população do estado seguem perambulando pelas ruas, muitos até sem necessidade, menosprezando a capacidade letal de um vírus novo, desconhecido e contra o qual não há antídoto ou vacina.

A informação foi levantada pelo Blog do Zé Dudu que consultou os dados da empresa In Loco, que faz mapeamento por geolocalização, a partir do uso de dispositivos móveis, de ao menos 60 milhões de brasileiros. A empresa diz que a tecnologia não identifica pessoas, garantindo sua privacidade e anonimato.

Em Parauapebas, apenas 42,2% cumpriam o isolamento social na quinta-feira (9), data da última apuração. Isso quer dizer que, no momento da coleta de dados pela In Loco, 57,8% dos moradores estavam circulando de um lado a outro da cidade. É um dos índices mais baixos do estado — o 18º pior entre os 144 municípios paraenses. Não é demais lembrar que o número de casos confirmados de Covid-19 em Parauapebas deu um salto de quatro para nove, de quinta para sexta (10). A circulação das pessoas contribui, inclusive, para disseminação daqueles que estão infectados, mas são assintomáticos.

Sudeste do Pará está mais “solto”

A In Loco criou o Índice de Isolamento Social para auxiliar no combate à pandemia, traçando o percentual, por estado, da população que está respeitando a recomendação de isolamento estabelecida pelos governos. No Pará, pelo último levantamento realizado na quinta (9), apenas 47,45% da população estavam em isolamento, proporção abaixo da média nacional, de 50,6%. O melhor desempenho do estado foi por volta do dia 20 de março, quando 65% dos paraenses respeitavam o isolamento. O estado é o 15º entre as 27 Unidades da Federação quanto ao respeito à quarentena.

No Brasil, de acordo com a In Loco, o estado de Goiás é quem mais tem respeitado o isolamento social para tentar desacelerar a transmissão da Covid-19. Lá, na quinta, a taxa de reclusão era de 54,17% da população. No Tocantins, entretanto, que se espreme entre o Pará e Goiás, está a segunda menor taxa de isolamento, 40,97%. E o Mato Grosso do Sul é o lanterninha: 39,55%.

As três cidades paraenses com piores taxas são todas do sudeste do estado, mesorregião que é vizinha do Tocantins, estado com o segundo pior indicador de isolamento. Bom Jesus do Tocantins (35,4%), Sapucaia (35,9%) e Tucumã (36,5%) amargam taxas baixíssimas. Já os melhores indicadores estão nos municípios mais pobres do estado: Tracuateua (82,4%), Magalhães Barata (73,8%) e Inhangapi (68,5%).

Publicidade