Hospital Geral de Parauapebas está em funcionamento e implantando todos os procedimentos constantes do contrato do GAMP com a prefeitura de Parauapebas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Com menos de três meses de funcionamento o HGP já implantou a Maternidade que está funcionando normalmente. O Mutirão da Mamografia caminha para zerar a fila de mais de mil pacientes. UTI em operação e o serviço de Hemodiálise em fase final de montagem para entrar em operação no início de outubro, acabando com o sofrimento de dezenas de paciente que hoje tem que se deslocar para cidades vizinhas em cansativas viagens de ônibus para receber o tratamento. Tudo em conformidade com o previsto no contrato de gestão firmado entre o GAMP e a Secretaria de Saúde da prefeitura de Parauapebas.

Em resposta à nota publicada pelo Sindicato dos Médicos do Pará e para a reposição da verdade,o diretor técnico Dr Gilberto Alves Pontes Belo, informa à comunidade, que:

  • 1) Os médicos não foram demitidos porque nenhum deles tinha fechado contrato com o GAMP. Não aceitaram a condição de fazer plantões presenciais(quando o médico fica no hospital durante o seu horário de trabalho). Queriam ficar apenas de sobreaviso (ficariam em casa e só iriam ao hospital se fossem chamados);
  • 2) O paciente citado foi lesionado por arma de fogo , sendo prontamente atendido pela equipe de plantão, dois médicos-cirurgiões acompanharam a intercorrência. Dois cirurgiões ficam de plantão 24 horas por dia, nos 30 dias do mês;
  • 3) A UTI foi aberta antes do previsto devido a alta demanda de pacientes em estado crítico necessitando de tratamento intensivo. A equipe foi prontamente mobilizada e já se encontra com médicos 24 horas. Enquanto não se completava a equipe, o próprio diretor técnico do GAMP deu o suporte necessário para os pacientes;
  • 4) A UTI não tem problemas estruturais, mas há questões burocráticas a serem atendidas, como o protocolo de abertura, alvarás e certidões, porém a vida humana vale mais que tudo isso e a urgência de casos que possuem risco de óbito, suplanta a burocracia e foi dada prioridade à vida das pessoas.

Assessoria de Imprensa do GAMP