Grupo interministerial vai debater regularização fundiária na Amazônia

Audiências irão começar por Altamira, na próxima segunda-feira (9), onde governo espera reunir produtores rurais de 20 municípios.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Brasília – Um Grupo de Trabalho (GT) interministerial vai começar uma série de audiências públicas nos estados da Amazônia, a partir da próxima segunda-feira (9), e o município de Altamira, no sudoeste do Pará, foi escolhido como o primeiro a sediar a reunião, marcada para as 14 horas, no Centro de Convenções e Curso da cidade.

A audiência pública reunirá lideranças políticas e representantes de produtores rurais de 20 municípios paraenses das regiões da Transamazônica, Xingu e Tapajós. De Altamira, o GT seguirá para Cuiabá (MT), no dia 13; Porto Velho (RO), dia 16; Macapá (AP), dia 23; e no dia 27, em Boa Vista (RR). Os outros estados que irão receber o grupo serão Amazonas, Acre e Maranhão.

O encontro chega como resposta ao avanço do desmatamento ilegal na Amazônia. O governo pretende acelerar o processo de regularização fundiária, e para isso está promovendo uma série de audiências públicas para apurar demandas de diversas localidades do País. Por meio da Secretaria Especial de Assuntos Fundiários (Seaf/Mapa), a intenção do governo é percorrer os 27 estados brasileiros, com prioridade aos que integram o território da Amazônia Legal.

Atendendo a uma antiga demanda da população do Pará, o senador Zequinha Marinho (PSC-PA) propôs ao governo a realização das audiências. Ele defende a regularização fundiária como um instrumento para frear o desmatamento ilegal e estimular ações de desenvolvimento sustentável, como o manejo florestal.

Zequinha foi eleito para o próximo biênio (2019-2020) como presidente da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC), instalada semana passada no Congresso nacional.

O vice-ministro da Agricultura, Nabhan Garcia, irá coordenar a comitiva federal que estará em Altamira, para debater e colher sugestões sobre o processo de titulação da terra.

Zequinha Marinho tem centrado o foco na regularização fundiária. “Mediante comprovação, o governo poderá dar o título da terra ao produtor, incentivando o aumento da produção em bases sustentáveis”, diz o senador, para quem o governo, ao regularizar a terra, terá também condições de identificar possíveis casos de crime ambiental, punindo os verdadeiros culpados.

“Com a regularização, a terra passa a ter dono. O CPF do produtor estará associado àquele território e, se identificado foco de desmatamento ilegal, o governo terá meios para aplicar as sanções cabíveis”, aponta o parlamentar.

Nabhan Garcia explica que a intenção do governo é solucionar os conflitos fundiários e garantir segurança jurídica para o produtor rural. “Queremos solucionar os conflitos de forma que sejam atendidas as necessidades das comunidades indígenas, quilombolas, dos integrantes de assentamentos e também dos proprietários rurais que foram penalizados com a insegurança jurídica no campo”, defende.

Segundo o vice-ministro, serão cobradas, em Brasília, as informações necessárias para uma devolutiva aos interessados. Além disso, as denúncias que forem apresentadas serão rigorosamente apuradas. Para ele, a lei deve ser cumprida de acordo com a Constituição Federal e a preservação do direito de todos os brasileiros deve prevalecer, independentemente de interesses de categorias.

Fonte: Com informações da ASCOM – Gabinete do Senador Zequinha Marinho (PSC-PA).

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília.

Publicidade

Relacionados