Fuga anunciada de 15 detentos no CRAMA mostra fragilidade na casa penal, em Marabá

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Ao ser recapturo no dia 5 de dezembro do ano passado, o detento Cayo Adriano da Rocha Silva, 24 anos, fez uma declaração inusitada à Imprensa de Marabá de forma redundante: “Vai ter outra inédita de novo”. Para aqueles que estavam ali presentes na 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil em Marabá, ficou claro que foi um aviso de que mais fuga poderia ocorrer no Centro de Recuperação Agrícola Mariano Antunes (CRAMA).

Passados exatamente dois meses, a “profecia” de Cayo se cumpriu. Na tarde deste domingo, 4, enquanto os melhores homens do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) faziam a segurança do jogo entre Águia e Clube do Remo, no Estádio Zinho Oliveira, bem longe da prisão, 15 detentos escaparam por um túnel que escavaram durante alguns dias.

Segundo informações de um policial que está na operação de recuperação dos fugitivos, os presos já haviam escavado o túnel de 7 metros de comprimento e 70 centímetro de diâmetro, aproximadamente, no bloco B e aguardavam o início da partida no estádio Zinho Oliveira para fugir e atrasar ainda mais a chegada da polícia.

Eles alcançaram a área de banho de sol e de lá para chegar do lado de fora da penitenciária foi muito fácil. “Conseguimos prender seis, mas ainda há nove na mata. Eles oferecem risco à comunidade, claro, e a gente vai virar a noite, se for preciso, para tentar prendê-los”, disse o militar.

O policial também informou que no estádio Zinho Oliveira havia cerca de 30 policiais militares, sendo 12 do Tático, Cavalaria, entre outros. Com a fuga no CRAMA, o Comando do 4º Batalhão de Polícia Militar acionou a VTR Tático 1 e VTR Tático 3.

Por Ulisses Pompeu – correspondente em Marabá