Flona Tapirapé-Aquiri forma nova turma de monitores ambientais

Grupo iniciará a fase experimental do programa, conduzindo, de maneira supervisionada, turmas de Marabá ao interior do Mosaico Carajás
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A nova turma de monitores ambientais voluntários da Floresta Nacional (Flona) Tapirapé-Aquiri completou a etapa de realização dos módulos teórico e prático. O primeiro contou com uma programação de três dias de duração na segunda quinzena do mês de junho e uma intensa troca de conhecimentos sobre o SNUC, Mosaico de Unidades de Conservação de Carajás, ecoturismo, biodiversidade amazônica, primeiros socorros básicos e animais peçonhentos, conceitos e práticas de educação ambiental crítica, espeleologia, arqueologia, entre outros.

Na etapa prática, realizada entre os dias 16 a 21 de julho, os voluntários em formação estiveram alojados no interior do Mosaico Carajás e tiveram a rica oportunidade de conhecer os principais roteiros de visitação, além de novas áreas já mapeadas para uso no Programa de Educação Ambiental, por meio do qual estarão conduzirão turmas sob a perspectiva da educação ambiental crítica. O contexto socioeconômico e ambiental da região foi amplamente discutido, além da relação dos empreendimentos desenvolvidos no interior e entorno do mosaico, com a conservação da biodiversidade local.

Segundo André Macedo, gestor da FLONA do Tapirapé-Aquiri, o programa de voluntariado, associado ao de educação ambiental crítica, tem contribuído significativamente para a mudança do cenário regional, onde pouco se conhecia sobre as unidades de conservação e até mesmo o ICMBio enquanto órgão gestor. “    A imensa riqueza biológica existente era pouco acessível à sociedade, o que vem sendo revertido por meio muitos esforços. Esse processo tem despertado o sentimento de pertencimento perante as comunidades locais, de modo que as mesmas têm se engajado na proteção da unidade. Outro ganho importante foi o fortalecimento das parcerias locais”, celebra Macedo.

Para o voluntário Marcelo Braga, a oportunidade ampliou sua visão sobre as unidades de conservação e contribuiu para o fortalecimento do seu interesse pela causa. Já o voluntário Thiago avalia como especial a oportunidade de conhecer de perto a Amazônia, agradecendo ao ICMBio por abrir as portas para os novos conhecimentos.

As duas etapas contaram com a participação de instituições parceiras de renome, como a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, por meio do seu Núcleo de Educação Ambiental; Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Universidade Federal Rural da Amazônia; Universidade Federal de Minas Gerais; Fundação Casa da Cultura de Marabá; Grupo Espeleológico de Marabá; Cooperativa de Turismo de Parauapebas (Cooperture); Centro de Educação Ambiental de Parauapebas (CEAP); Corpo de Bombeiros Militares; além do corpo atual de voluntários, dando suporte às atividades da UC.

A partir de agora, o grupo iniciará a fase experimental do programa, conduzindo de maneira supervisionada turmas de Marabá ao interior do Mosaico, em especial na Flona Tapirapé-Aquiri, estimulando a sensação de pertencimento e contribuindo na consolidação da gestão participativa na unidade. As oficinas de capacitações específicas mapeadas terão início no mês de setembro e visam fortalecer os conhecimentos já repassados, incentivando ainda o crescimento pessoal e profissional dos envolvidos.

Foi realizado ainda no dia 20 de julho, o I Encontro de Voluntários da Flona Tapirapé-Aquiri, que contou com a participação das turmas de 2016, 2017 e 2018, além de parte do voluntariado da FLONA Carajás. Ao todo, foram cerca de 70 pessoas reunidas em um momento de agradecimento pelos relevantes trabalhos prestados, além de estímulo e motivação para continuidade na causa.

Texto e fotos: Glenda Quirino
Publicidade

Relacionados