Fiscalização da PF de combate ao trabalho escravo flagra criança sendo explorada em condições desumanas no sudeste do Pará

A fiscalização em localidades de circunscrição da Delegacia da PF de Marabá, no sudeste do Pará, começou segunda-feira (24) e encerrou nesta sexta-feira (28). Ao todo, foram fiscalizadas quatro fazendas e constatadas diversas irregularidades trabalhistas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Uma criança foi flagrada sendo explorada em condições desumanas em uma oficina

Continua depois da publicidade

A Polícia Federal (PF) realizou diversas fiscalizações em áreas rurais localizadas no sudeste do Pará com o objetivo de identificar e resgatar pessoas que poderiam estar trabalhando em condições análogas à escravidão. A operação iniciou na última segunda-feira (24) e encerrou nesta sexta-feira (28).

Durante as ações, foram fiscalizadas quatro fazendas localizadas na região pertencente à circunscrição da Delegacia da Polícia Federal de Marabá, na mesma região. Foram realizadas várias oitivas de trabalhadores e responsáveis pelas áreas para averiguar as condições de trabalho oferecidas aos empregados.

Segundo a PF, o intuito principal foi assegurar o fornecimento de requisitos mínimos para que os funcionários realizem suas atividades de maneira digna, tendo em vista que o trabalho análogo à escravidão é um crime de elevado impacto negativo humano e social. Ainda de acordo com Polícia Federal, durante o cumprimento das diligências, foram constatadas diversas irregularidades trabalhistas, inclusive foi feito o flagrante de uma criança de 12 anos que estava exercendo uma das piores formas de trabalho infantil (atividades em oficina com o manuseio de graxa e trabalho a céu aberto).

Operação da PF realizou fiscalização na região sudeste do Pará

As ações contaram com a participação de 12 servidores públicos, entre membros do Ministério Público do Trabalho, Auditores Fiscais do Trabalho e Policiais Federais.  A PF observa que a redução de alguém a condição análoga à de escravo (art. 149 do Código Penal) possui pena que pode chegar até 12 anos de reclusão.

Tina DeBord- com informações da PF

Publicidade