Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA) será em setembro com nova formatação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Com um formato renovado e que promete maior interação com o público consumidor, a Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA) 2017 já tem data definida para ser realizado este ano. Entre os dias 21 e 24 de setembro, de 17 às 22 horas, no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, a FITA reunirá a exposição de produtos e serviços de empresas de turismo e gastronomia, a Vitrine Cultural com produtos do arranjo produtivo local do programa Alimentação Fora do Lar e produção associada das rotas turísticas (Belém-Bragança, do Queijo do Marajó, do Cacau e Chocolate, do Vale do Xingu), espaço destinado ao Passaporte Pará para comercialização de destinos, rotas, roteiros e produtos turísticos do Estado, além de apresentações culturais de artistas dos seis polos de turismo paraense: Belém, Amazônia Atlântica, Araguaia Tocantins, Marajó, Tapajós e Xingu.

Entre as principais novidades pensadas e elaboradas pelo corpo técnico da Secretaria de Estado de Turismo, a fim de modernizar a feira e de colocar o evento em nova era e no mesmo patamar das mais importantes feiras de turismo nacionais, a renovada FITA terá também a Mostra Gastronômica do Pará e a Oca do Conhecimento. A Mostra terá apresentação de iguarias e produtos gourmet presentes nos territórios de rotas de turismo e gastronomia.

Já a Oca do Conhecimento promoverá eventos técnicos como seminários, fóruns, convenções, workshops e palestras, entre eles a Convenção dos Turismólogos, Seminário de Cooperação Pan-Amazônica para desenvolvimento do turismo e gastronomia, Oficina Culinária de Embutidos e Defumados, reunião do Fórum Técnico de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas do Estado do Pará, workshop de inovação em Design Thinking, cases de sucesso da atividade turística, entre outros, envolvendo empresários do trade, profissionais do setor e gestores públicos, trocando experiências e conhecimentos para desenvolvimento da atividade turística paraense.

Ir até o consumidor final é o objetivo principal da nova FITA, fugindo dos modelos tradicionais para criar um ambiente atrativo e de interação entre público e quem vende, seja produtos, serviços ou conhecimento. “É o que pretendemos para a Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA) em sua próxima e renovada versão. Mais do que conquistar, é preciso encantar o consumidor”, afirma o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes.

Feiras tem a capacidade de mobilizar e promover uma grande circulação de pessoas e com isso gerar receita para praticamente todas as atividades transversais do turismo, como as redes de hotéis e restaurantes, agentes de viagens, transportadoras turísticas, companhias aéreas, centros de convenções, logística, etc. Um estudo do Sebrae, de 2013, o II Dimensionamento Econômico da Indústria de Eventos no Brasil revela que o setor movimentou R$ 209,2 bilhões, o que representa uma participação de 4,32% do PIB do Brasil.

Seminários Regionais – Para promover a FITA e mobilizar os atores envolvidos com a cadeia produtiva da atividade turística, a Setur está realizando Seminários Regionais para a apresentação do projeto FITA 2017 nos seis polos de turismo do Estado, com a parceria da Faciapa e associações comerciais locais. O primeiro seminário foi no último dia 13 deste mês, em Soure, no polo Marajó. Nesta segunda-feira (19), ocorre o segundo em Salinópolis, no Hotel Solar, cidade do polo Amazônia Atlântica. Já na próxima quarta-feira (21) quem recebe o evento de mobilização é o Tapajós, no auditório da Associação Comercial de Santarém.

“Todo esse trabalho que vem sendo desenvolvido pelas gestões públicas, quer do Estado quer seja dos municípios, e pelo empresariado, será mostrado muito brevemente na FITA. É importante que os polos turísticos possam se preparar para participar deste evento, estão todos sendo convidados, para que o Pará possa ver na realidade de uma forma bem objetiva tudo que é oferecido na economia do turismo”, conclui Adenauer Góes.