Farmácias de Parauapebas registram aumento na venda de repelentes

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

deetEm razão do crescente número de casos de dengue e de microcefalia relacionados ao Zika vírus, a procura por repelentes que ajudam na proteção contra o mosquito Aedes Aegypti, transmissor das doenças é grande nas farmácias de Parauapebas. Os estabelecimentos reforçaram as prateleiras com o produto para atender a demanda dos consumidores, intensificada desde o início de novembro, quando a divulgação dos casos passou a ocorrer de forma mais intensa.

Segundo Cleiton Dantas, que trabalha em uma farmácia no bairro Cidade Jardim, as vendas aumentaram entre 20% e 30% assim que os casos de dengue e Zika vírus começaram a ser divulgados pelos veículos de comunicação. “Tivemos um aumento considerado nas vendas. Um público variado procura repelentes, e a maioria prefere o produto que a descrição da embalagem já informa que serve para afastar o mosquito da dengue’’, relata Cleiton.

Quem nunca usou repelente, passou a utilizá-lo como forma de prevenção contra o mosquito, como é o caso de Valdirene Nunes, moradora do bairro Casas Populares II, onde nesta sexta-feira (11) aconteceu um mutirão de combate ao mosquito Aedes Aegypti, promovido pela Prefeitura de Parauapebas.

“Estou grávida de três meses e muito preocupada com esse mosquito da dengue. Nunca tinha usado repelente, mas comecei a ter mais cuidado e passo repelente em todo corpo”, conta a moradora, completando que o mutirão de limpeza e as explicações dos agentes de endemias vão ajudar no combate ao mosquito.

E a preocupação de Valdirene é a mesma de muitas gestantes, visto que dois casos de microcefalia foram confirmados no município. O primeiro caso foi registrado no mês de setembro, e o segundo em novembro, de um bebê que nasceu de parto prematuro.