Faltosos na Alepa incomodam deputados

Apesar dos esforços do presidente da Casa, está difícil formar quorum qualificado na Casa. Pedetista Miro Sanova sugere limites na concessão de licença.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Todo aluno que falta muito à escola ou não presta atenção na aula naturalmente é reprovado. Na Assembleia Legislativa, tem deputados que estão se comportando como esses alunos, o que não tem sido fácil para o presidente da Casa, deputado Dr. Daniel Santos (MDB).

Elogiado pelos colegas, inclusive da oposição, pelo espírito democrático e negociador, Daniel Santos tem reunido muita paciência durante as sessões plenárias quando há necessidade de quorum qualificado para a votação de projetos, como as emendas constitucionais e leis complementares, que exigem a presença de, no mínimo, 21 dos 41 deputados.

Curiosamente, mesmo quando a pauta está recheada de projetos do Executivo o presidente da Alepa insiste em apelar pela presença dos colegas em plenário. Hoje, foi um dia desses quando entrou em votação um projeto de lei complementar, do Executivo, que altera a organização da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e cujo titular da pasta, Ricardo Sefer, acompanhava a sessão.

Diante da baixa presença, o líder do Governo, deputado Chicão (MDB), chegou a sugerir o adiamento da votação. “Fica adiado esse projeto de lei complementar. A gente vai discutindo até que se restabeleça o quorum”, avisou Daniel Santos, sem deixar de pedir para que os deputados que estivessem nos gabinetes, nas salas de reuniões e nos corredores se deslocassem para o plenário.

Quando alguém ensaiava sair do plenário, o presidente não hesitava em pedir para o deputado ficar. Precisou tempo até que 23 parlamentares se apresentaram, garantindo a votação da matéria.

Durante a espera, o deputado Miro Sanova (PDT) revelou desconforto com os colegas contumazes em pedir licença do Legislativo. “Sou a favor que tenha limites de licença na Casa. Se ultrapassar o número (de licenças), tem que ser descontado”, lançou ele. Segundo Sanova, esse problema vem desde legislaturas passadas e a Mesa Diretora não consegue resolver.

Miro Sanova disse concordar que os deputados precisam visitar suas bases, viajar até para fora do Pará em busca de projetos e programas para o Estado. “Mas tem colega nossa que toda semana está pedindo licença aqui, é infindável”, reclamou ele. “Estou cansado de ver deputados aqui trabalhando por outros que não vêm para a sessão”, desabafou Sanova.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade