Estudo afirma que energia solar poderá ser enviada do espaço para a Terra em 30 anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um estudo divulgado esta semana pela Academia Internacional de Astronáutica em Paris afirma que, em até 30 anos, será possível construir enormes painéis solares na órbita terrestre e enviar a energia gerada no espaço para o consumo na Terra. Seria uma forma de gerar energia elétrica com praticamente nenhum impacto ambiental.

Seriam necessários diversos satélites com enormes painéis solares, que seriam enviados à órbita terrestre em etapas.  (Foto: Reprodução)Seriam necessários diversos satélites com enormes painéis solares, que seriam enviados à órbita terrestre em etapas.

O Sol oferece uma fonte de energia renovável e limpa. Explorar o calor da estrela que ordena o Sistema Solar na Terra não é nenhuma novidade, o problema é que converter a energia do Sol em eletricidade estando aqui na crosta terrestre está longe de ser eficiente como forma válida de substituição de outras matrizes energéticas.

É pensando nisso que a proposta do estudo olha para cima e diz que a resposta para o problema energético da Terra no longo prazo estará em órbita. Lá no espaço, sem ozônio e atmosfera para amortecer os raios solares, a capacidade de geração de energia é muito maior.

Seriam necessários diversos satélites com enormes painéis solares, que seriam enviados à órbita terrestre em etapas. O acúmulo destas usinas orbitais formaria um sistema global de geração de energia que, em órbita na altura do Equador, seria capaz de gerar eletricidade 24 horas por dia a níveis de eficiência bem superiores às terrestres.

Mas como enviar a energia gerada para o consumo na Terra? Não é possível instalar linhas de alta tensão entre as usinas em órbita e o planeta. A solução seria transmitir a energia em forma de raio laser ou com enormes antenas de microondas. Na Terra, estruturas receberiam a energia transmitida e se encarregariam do armazenamento e da distribuição.

Evidentemente, o projeto tem custos altos e só poderia sair do papel com vultuosos investimentos e apoio governamental – que ainda não foram oferecidos.

Fonte: Slashgear

Posts relacionados