Erro em correção das provas do Enem revolta candidatos

Em coletiva de imprensa, ministro da Educação diz que problema será solucionado até segunda-feira (20)
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print
O ministro da Educação, Abraham Weintraub (esq.), e o presidente do Inep, Alexandre Lopes, durante divulgação dos resultados do Enem (Foto: Luís Fortes/MEC)

Continua depois da publicidade

Brasília – Uma onda de reclamações movimentou este sábado (18). Nas redes sociais, milhares de candidatos da última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) reclamavam das baixas notas divulgadas, no dia anterior, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela realização do exame.

À medida que os protestos aumentavam no meio da manhã, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, tentou amenizar o problema, convocando uma entrevista coletiva na sede do Inep onde afirmou que: “Até segunda-feira (20), o problema será resolvido e ninguém será prejudicado”. Weintraub garantiu que o alcance do problema é “muito baixo”.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, disse na entrevista que até 39 mil candidatos podem ter sido afetados por uma falha na contabilização dos pontos da prova do Enem.

Lopes explicou que o número equivale a 1% dos quase 3,9 milhões de candidatos inscritos. A falha teria sido cometida pela gráfica responsável pela impressão e transmissão dos dados dos gabaritos ao Inep. Apesar disso, o presidente do Inep afirma que a data para abertura do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) continua mantida para a terça-feira (21).

As falhas na contabilização dos pontos de candidatos do Enem começaram a ser reportadas nas redes sociais na noite desta sexta-feira. Grupos de estudantes de Minas Gerais relataram que obtiveram pontuações extremamente baixas apesar de terem acertado um número elevado de questões.

Lopes disse que, após os relatos sobre problemas na contagem dos pontos relatados em redes sociais, o MEC consultou a Fundação Getúlio Vargas, a Cesgranrio e a gráfica Valid S.A para encontrar a origem dos problemas. Segundo ele, o problema teria ocorrido na transmissão de dados referentes aos gabaritos de candidatos.

O presidente do Inep explicou que, como as provas são divididas por cores, houve erro na hora em que a gráfica informou ao instituto a cor do gabarito correspondente à prova realizada pelos candidatos.

Lopes afirmou que o Inep identificou quatro casos em que esse erro ocorreu. Todos eles são de candidatos oriundos da cidade mineira de Viçosa. Segundo ele, o arquivo enviado pela empresa para a Cesgranrio e para a Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsáveis pela aplicação da prova, provocou o problema. Dessa forma, no caso de quatro alunos, o gabarito não era da cor da prova realizada, o que provocou erro na correção.

“Nós encontramos, até o momento, quatro inconsistências de notas. Nós vamos corrigir e continuaremos durante todo o final de semana rodando nossa base de dados para identificar outros possíveis casos de inconsistências,” afirmou.

O Inep colocou à disposição um endereço de e-mail para que os alunos tirem dúvidas sobre suas notas e possam pedir a verificação de sua situação. O endereço eletrônico é enem2019@inep.gov.br.

Por Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília.

Publicidade