Em Parauapebas, serviços de drenagem e pavimentação vão chegar a 8 mil do Betânia

Prefeitura vai enfiar bloquete em 6,5 km de vias do bairro, alcançando moradores de mais de 20 ruas. Potencial de empregos chega a 100 postos na construção civil durante um ano e meio.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Nesta quarta-feira (17) ficou de ser iniciado o trâmite burocrático para uma das obras mais esperadas pelos cerca de 8 mil habitantes do Bairro Betânia, em Parauapebas. A licitação para contratar o “gato” que vai realizar serviços de terraplanagem, drenagem e pavimentação em diversas ruas vinha movimentando os ânimos nos bastidores, já que foi orçada em R$ 17,1 milhões. As informações são exclusivas do Blog do Zé Dudu.

De olho no pacote em oferta pela administração de Darci Lermen, a construtora Transvias passou a lupa no edital do certame e levou sua dúvida à Comissão de Licitações e Contratos (CLC) da prefeitura, que respondeu ontem (16), tranquilizando a empresa interessada.

Depois que a licitação efetivamente andar, mais de 20 ruas do Betânia vão receber serviços para escorrer águas pluviais e calçamento com piso intertravado sextravado, os populares bloquete, Esse tipo de pavimentação, aliás, é reconhecido por ser eficiente na área urbana dedicada ao tráfego pesado de ônibus e caminhões. Também é um tipo de revestimento com propriedades antiderrapantes, ideal para cadeirantes e deficientes visuais.

Pelos cálculos do Blog, cerca de 6,5 quilômetros de vias do Betânia devem receber um tapa no visual para ficarem novinhas em folha. São elas:

  • Novo Paraíso
  • São Marcos
  • São Lucas
  • Macedônia
  • Matusalém
  • Apóstolo Pedro
  • Bartolomeu
  • Nova Conquista
  • São Mateus
  • Santiago
  • Melquisedeque
  • Beija-Flor
  • São Lázaro
  • Benjamim
  • Nicodemos
  • Jardim das Oliveiras
  • Monte Ararat
  • Tomé de Sousa
  • Jerusalém
  • + 4 ruas com nome não especificado

De acordo com a Secretaria Municipal de Obras (Semob), organizadora da licitação, populares reivindicavam os serviços no bairro há anos, relacionando a falta de segurança à precariedade da infraestrutura. “Os serviços deverão garantir maior fluidez do trânsito e segurança para pedestres e motoristas”, destaca o titular da pasta, Wanterlor Bandeira, adicionando que a área técnica da Semob esteve no local e fez levantamentos para confirmar a necessidade de realizar as intervenções.

Outra boa notícia que a obra vai proporcionar, além da melhoria da qualidade de vida para a comunidade, é a geração de empregos no setor de construção civil, que se encontra a plenos pulmões em Parauapebas. Neste capítulo da história, pedreiro, carpinteiro, pintor e ajudante de construção são praticamente “artigos de luxo” na Capital do Minério, e muitos trabalhadores de fora estão desembarcando diariamente na cidade devido à fama de geração de emprego aos montes, conforme se anunciam na agência local do Sistema Nacional de Empregos (Sine).

Quando a obra do Betânia começar, a previsão é de que 100 postos de trabalho sejam criados imediatamente, e poderá não haver mão de obra ociosa disponível para ocupar os cargos. Serão contratados de vigia noturno a engenheiro civil. O prazo de execução dos serviços de infraestrutura no bairro é de um ano e meio.