Em Jacundá, blocos carnaval levam mensagem contra assédio

A caminhada teve a participação de alunos da rede particular e pública, usuários de programas sociais, colaboradores das secretarias da Mulher, Assistência Social e Educação, e DMTU e Semic.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Estudantes da rede municipal e particular de ensino da cidade de Jacundá encontraram uma maneira irreverente para levar mensagens contra o assédio, importunação sexual, contra exploração sexual de crianças e adolescentes. Os blocos caracterizados percorreram ruas do Bairro Alto Paraíso e região central da cidade durante a manhã de sexta-feira, 21.

Montados para levar mensagens de voz dos direitos, os blocos Respeita as Minas e Mulher Voz e Vez mostrou o que é assédio? “É qualquer atitude ofensiva ou desrespeitosa especialmente de caráter sexual”, explica a secretária da Mulher de Jacundá, Joelma Cerqueira. No folheto distribuídos durante a caminhada, informações sobre importunação sexual, que é crime e com pena de reclusão de 1 a 5 anos, se o ato não constituir crime mais grave. Para denunciar, basta ligar de qualquer aparelho para o número 180.

No bloco disque 100, o foco foi os direitos das crianças e adolescentes, com abordagem contra abusos e exploração sexual. “Essa caminhada teve como objetivo conscientizar sobre os direitos, alertar sobre falta de respeito com as mulheres, com as crianças e adolescentes, principalmente nesse período de carnaval. E qualquer atitude invasiva ou desrespeitosa é considerado assédio”, cita a secretária de Assistência Social, Valkíria Vale.

A campanha “Não é Não” também foi abordada durante a caminhada, que teve também o bloco Liga da Prevenção, onde abordou “se beber, não dirija”, “sexo seguro só com camisinha”, dentre outras informações.

“É uma campanha muito importante para todos nós, onde mostra que precisamos respeitar nossas crianças e adolescentes”, frisou o prefeito municipal, Ismael Barbosa, que participou da caminhada.

A caminhada teve a participação de alunos da rede particular e pública, usuários de programas sociais, colaboradores das secretarias da Mulher, Assistência Social e Educação, e DMTU e Semic.

Publicidade