Eduardo Barth deixa Prefeitura de Jacundá para concorrer a cargo eletivo

Braço direito do prefeito Ismael Barbosa, o ex-secretário de Finanças pode compor a chapa majoritária com o atual gestor, cuja intenção é tentar a reeleição
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Ao se desincompatibilizar do cargo de secretário de Finanças da Prefeitura de Jacundá, o administrador Eduardo Barth causou alvoroço no cenário político do município nesta semana. Considerado braço direito do prefeito Ismael Barbosa (Podemos), ele sai para concorrer a cargo eletivo no pleito deste ano.

A principal hipótese é de que ele venha compor a chapa majoritária com o atual gestor municipal, que almeja a reeleição.  A Reportagem entrou em contato com o ex-secretário do governo, que confirmou a saída da prefeitura e admitiu a intenção da candidatura. “Pode ser a prefeito ou vice-prefeito”, resumiu.

A experiência do administrador de empresas na Prefeitura de Jacundá começou como secretário de Indústria e Comércio, já no governo do prefeito Ismael Barbosa, além de articulação política. Ele também comandou a pasta de Administração e Planejamento e, no início deste ano, ocupou a Secretaria Municipal de Finanças.

Barth, que atualmente é o presidente do Partido Social Democrático (PSD), um dos maiores do município, acredita que o partido tem cacife para indicar um nome à prefeitura e considera importante a participação do partido nas eleições municipais deste ano.

“O PSD é uma sigla com força para discutir posição na chapa majoritária. E, junto ao Podemos, do atual prefeito Ismael Barbosa, somado com apoio da base aliada, temos condições para disputar as eleições com toda segurança e sustentação política”, avaliou.

Na condição de secretário municipal, Eduardo pontuou ações positivas de sua participação no governo Ismael Barbosa: “Estive à frente de diversas ações de relevância histórica no município”, disse ele, citando a inauguração do sistema de abastecimento de água (ETA), retomada de obras abandonadas (quadras poliesportiva, escolas, pavimentação de ruas, dentre outras) e, por último, destravando empecilhos envolvendo recursos do precatórios da Educação, que deve ser liberado em breve.

(Por Antonio Barroso – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Jacundá)

Publicidade