Dia da caça: assaltante tenta roubar moto, mas acaba entrando na taca

Condutor do veículo toma espingarda de bandido e dá uma surra no assaltante, que, para não morrer, finge de morto
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Genilson Pinto Andrade, 20 anos, protagonizou na madrugada deste sábado (5), o velho provérbio popular que diz: “Um dia é da caça; o outro, do caçador”. Ao tentar roubar uma moto, armado de espingarda, foi surpreendido pela quase vítima. Ao anunciar o assalto a um motociclista, o homem, num gesto arriscado, arrancou a arma das mãos do indivíduo, mas não atirou no assaltante. Segurou pelo cano e usou como porrete, acertando várias pancadas na cabeça de Andrade. A surra foi tão bem aplicada que a coronha da arma quebrou de encontro ao corpo do assaltante.   

Temendo morrer de tanta taca, Genilson, que caiu e continuou sendo espancado, fingiu de morto até a chegada da Polícia Militar, chamada por populares. Enquanto isso, o motociclista tratou de fugir, imaginando que havia matado o assaltante.

Ao chegar, a guarnição da PM levou Genilson Andrade ao Hospital Municipal e, depois de atendido, foi removido à 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, no plantão do delegado Nelson Alves, junto com a espingarda que serviu de porrete e o deixou bastante machucado.

Na delegacia, ele deu uma de joão-sem-braço, disse que a arma não era dele e ainda perguntou o que estava fazendo ali, pois, supostamente não lembrava de nada.

Entretanto como não houve queixa, uma vez que o motoqueiro, talvez com medo de responder por algum crime, não compareceu à DP, Genilson Pinto Andrade, com esparadrapo por todo o corpo, acabou liberado.  (Caetano Silva)

Publicidade

Relacionados