Despesa bruta com pessoal da Alepa ultrapassa R$ 400 milhões

Folha de pagamento dos quase 3.700 servidores da Assembleia Legislativa é maior que gastos com funcionalismo de Santarém e Ananindeua, cada uma com mais de 10 mil trabalhadores.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Os gastos totais com pagamento de servidores da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) superaram, em 12 meses corridos encerrados em agosto, R$ 407,5 milhões. Se a despesa com pessoal da Casa fosse uma receita de prefeitura, a Alepa seria a 9ª mais rica do estado, perdendo apenas para as administrações de Belém, Parauapebas, Marabá, Ananindeua, Santarém, Canaã dos Carajás, Barcarena e Castanhal.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou o Relatório de Gestão Fiscal (RGF) da Alepa publicado na edição desta segunda-feira (28) do Diário Oficial do Estado. O balanço é referente ao segundo quadrimestre deste ano e o trecho divulgado diz respeito aos gastos com o funcionalismo e o comprometimento da receita para apuração de limite constitucional.

Entre setembro de 2019 e agosto de 2020, o pessoal ativo da Alepa consumiu R$ 329,48 milhões em salários, enquanto os inativos e pensionistas custaram R$ 78,03 milhões aos cofres públicos. É, de fato, uma folha robusta. A título de comparação, a Prefeitura de Ananindeua, que governa diretamente para 535 mil habitantes e tem cerca de 10 mil servidores, usou R$ 368,79 milhões em pagamento de pessoal. Já o governo de Santarém gastou R$ 375,17 milhões com seu funcionalismo.

O Blog levantou que a despesa com pessoal efetivamente considerada para cálculo do limite constitucional está no valor de R$ 272,1 milhões, já descontada a dedução do imposto de renda. Nesse cenário, a folha da Alepa compromete apenas 1,22% dos R$ 23,807 bilhões em receita líquida arrecadada pelo Governo do Estado no período. Pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a assembleia pode gastar até, no máximo, 1,56% da receita com a folha. Portanto, não descumpriu a legislação e sequer alcançou o limite de alerta, que é aceso quando a despesa dessa natureza toca 1,4% da receita.

Entre setembro do ano passado e agosto deste ano, o mês de dezembro registrou o maior gasto bruto na folha da Assembleia Legislativa do Pará (R$ 42,615 milhões) e setembro, a maior despesa líquida (R$ 27,065 milhões). A Alepa tinha, em agosto, 3.663 nomes na folha de pagamento da casa, de acordo com informações do portal da transparência.

COMPARE:

  • Folha bruta da Alepa: R$ 407.509.892,00
  • Folha bruta da Prefeitura de Marabá: R$ 460.229.611,35
  • Folha bruta da Prefeitura de Santarém: R$ 375.174.696,59
  • Folha bruta da Prefeitura de Ananindeua: R$ 368.789.869,65
  • Folha bruta da Prefeitura de Castanhal: R$ 253.501.861,34
Publicidade