Marabá

Concurso da Prefeitura agita o domingo em Marabá

O domingo começou agitado em Marabá. Desde 6 horas da manhã o trânsito já estava incomum para um final de semana. A partir de 7 horas ficou mais intenso ainda em todos os quatro núcleos da cidade. Tudo por conta do primeiro dia de provas do concurso público da Prefeitura Municipal, que congrega mais de 33 mil candidatos do nível fundamental.

O certame é realizado pela Fundação de Amparo e Desenvolvimento de Pesquisa (Fadesp) e no quesito segurança tem o apoio das Polícias Civil e Militar, da Guarda Municipal e do Departamento Municipal de Trânsito (DMTU) para os três dias de prova em 17, 23 e 24 de março.

A Prefeitura de Marabá está ofertando 843 vagas para o nível superior, médio e fundamental. As provas iniciaram hoje, 17 de março, das as 8 às 12 horas, para todos os candidatos do cargo de nível fundamental, exceto para agentes de portaria que fazem o exame no horário da tarde, das 14h30 às 18h30.

No dia 23 de março, das 14 às 18 horas, é a vez dos inscritos para os cargos de nível superior, já no dia 24 de março, das 8 às 12 horas, a prova será destinada para os cargos de nível médio de agente de trânsito e de auxiliar de secretaria escolar, já das 14h30 às 18h30 o exame será para todos os demais s cargos de nível médio. “A Fadesp tem uma vasta experiência em concurso, no quesito segurança e nos últimos dez anos já realizamos mais de 100 certames neste estado e estamos preparados para qualquer eventualidade. A Policia Civil será acionada e que sejam presas as pessoas que, porventura, tentem lesar o concurso”, enfatizou Paulo Freire, representante da banca responsável pelo certame.

Uma candidata chegou à Escola Anísio Teixeira, no Bairro Cidade Nova, sem os documentos pessoais e alegou à coordenadora local da prova que havia perdido. Todavia, não apresentou nenhum Boletim de Ocorrência que comprovasse a alegação e foi proibida de entrar na sala para realizar a prova.

Na mesma escola, duas pessoas chegaram depois que os portões estavam fechados e ficaram frustradas por não poderem ter acesso à sala de aula. “Eu viajei de Cametá para cá ontem. Não consegui encontrar direito essa escola. O mototaxista disse que sabia onde era, mas acabou errando o caminho e me atrasei”, disse Cláudio Luz Andrade.

Nelma Andrade, que mora na folha 7, em Marabá mesmo, disse que perdeu a hora e acordou tarde. Saiu correndo de casa, pegou um mototáxi faltando 7 minutos para as 8 horas e atravessou a cidade. Mesmo assim, não chegou a tempo. “Foi um vacilo meu mesmo. Eu tinha estudado bastante, mas acho que esqueci de colocar o despertador para me acordar 6h30”, explicou-se.

Deixe seu comentário