Coluna Direto de Brasília #Ed. 154 – Por Val-André Mutran

Uma coletânea do que os parlamentares paraenses produziram durante a semana em Brasília
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Renan Calheiros está sendo massacrado nas redes sociais acusado de postura grosseira, arrogante e boçal, durante as oitivas da CPI da Covid-19

Continua depois da publicidade

Cultivando o ódio

O relator da CPI da Covid no Senado, senador Renan Calheiros (MDB-AL), que andava mais esquecido que foto de formatura do colegial perdida numa gaveta qualquer, vem protagonizando um festival de grosserias, arrogância e boçalidade nas sessões do colegiado e, por isso, está sendo “massacrado” nas redes sociais.

Pela culatra I

Na terça-feira (25), quando questionava a secretária de Gestão do Trabalho e Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, o senador alagoano, além de não deixar — em vários momentos (deve ter aprendido com o apresentador Faustão) a testemunha responder à pergunta, tentou, deliberadamente, conduzir as respostas dela, o que caracteriza constrangimento ilegal. O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), de forma vergonhosa, faz ouvidos de marcador para a explícita irregularidade protagonizada há semanas pelo relator.

Pela culatra II

Obcecado em atingir os seus objetivos a qualquer custo, Renan Calheiros exorbitou na sessão de terça, ao ter a desumanidade de citar semelhança “assustadora” entre o comportamento de algumas altas autoridades brasileiras e um oficial nazista que atuou na 2ª Grande Guerra Mundial. Tentou, mas foi interrompido, ler um inaceitável texto — certamente escrito por uma pena de aluguel recalcado —, no qual comparou a pandemia no Brasil e o nazismo, instantes antes de dar início ao depoimento da secretária Mayra Pinheiro.

— Foi uma das cenas mais constrangedoras da história do secular Senado Federal.

Pela culatra III

Em sua sanha celerada e demonstrando total desconhecimento dos livros de História, o senador Renan Calheiros lembrou aos presentes informações do Tribunal de Nuremberg, usado para julgar os crimes cometidos  contra os judeus. Ele citou ainda trechos de depoimentos que afirmavam que era impossível desobedecer ordens de Adolf Hitler, tentando fazer uma associação entre o inominado líder alemão e o presidente Bolsonaro.

Pela culatra IV

Demonstrando comportamento insano que requer cuidados médicos, Calheiros insistiu na tese malsã e disparou: “Faço questão de trazer à memória de todos talvez o julgamento mais conhecido de todos, o tribunal de Nuremberg, foi ali que o mundo procurou encontrar respostas para um crime atualmente inconcebível, o genocídio de 6 milhões de judeus nos campos de concentração no regime nazista”, disse em um dos trechos o tresloucado senador Calheiros, logo no início dos trabalhos da CPI, na manhã de terça-feira (25).

Sem limites

Sem ser interrompido, Renan Calheiros voltou a carga: “Não podemos dizer que houve genocídio. Não podemos dizer ainda. Mas podemos dizer que há sim uma semelhança assustadora, uma semelhança terrível, uma semelhança tenebrosa, uma semelhança perturbadora no comportamento de algumas altas autoridades que testemunharam aqui na CPI e o relato que acabei de ler sobre um dos marechais do nazismo no tribunal de Nuremberg, negando tudo, enaltecendo Hitler, apresentando-se como salvadores da pátria, enquanto a História provou que faziam parte de uma máquina da morte.”

Reação

Finalmente, após os absurdos ditos pelo relator da CPI, que se diz séria, houve a reação de alguns senadores, embora tardia, uma vez que o estrago estava feito e o circo montado. Para deixar claro ao leitor da Coluna sobre a gravidade e parcialidade da fala de Renan Calheiros, logo em seguida, a embaixada de Israel no Brasil emitiu um comunicado criticando a menção ao Holocausto na CPI da Covid-19 pelo senador Renan Calheiros. Sem citar o parlamentar, a representação diplomática pediu que a tragédia fique “à margem de política e de ideologia”.

Chaga

A nota da embaixada prosseguiu advertindo: “Desaprovamos o aumento da frequência da palavra Holocausto no discurso público. O uso indiscriminado banaliza a memória e a tragédia do genocídio contra o povo judeu. Pela amizade forte entre os dois países, pedimos que o Holocausto fique à margem de política e de ideologia”, ressalta a nota publicada no Twitter pela representação diplomática de Israel no Brasil.
— O Holocausto foi a maior chaga que se tem conhecimento na história da civilização humana, e todos os povos devem respeito às vítimas dessa página negra da história. Assim não parece ao bufão das Alagoas.

Na foto a plaqueta registra o número exato de recuperados da Covid-19 no Brasil: “14.733.987 vidas salvas”

Vidas salvas

Na contramão do noticiário de necrotério dos maiores veículos de comunicação, salvo raras exceções, e com a intenção de evidenciar o outro “lado da moeda” que os “neocruzados da Inquisição Medieval” fazem questão de esconder na CPI da Covid, o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), membro da Comissão, tem à sua frente o número atualizado de recuperados da covid-19 no Brasil, que na quinta-feira (27), totalizavam mais de 14,7 milhões de pessoas. Ele atualiza a plaqueta em todas as sessões.

BR-155 em péssimas condições de tráfego no Sul do Pará

Recuperação da BR-155

Deputado federal Joaquim Passarinho (PSD-PA) oficiou ao Dnit e ligou para o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que recebeu um relatório verbal, da importância de acelerar as obras de recuperação da Rodovia BR-155, no trecho que compreende o sul do Pará, por onde é escoada grande parte da produção do Estado e do Centro-Oeste, para os portos do Norte do País.
“Há empresa trabalhando na área e temos que aproveitar o bom tempo”, resumiu, referindo-se ao verão amazônico.

Não conheço

Se depender do conhecimento de certos embaixadores sobre a Amazônia brasileira, o País vai de mal a pior. Alguns são a imagem e semelhança daquela figura que chega para dar o expediente, com aquele “ar” de enfastiado, pendura o paletó no cabide e finge que trabalha. Essa semana, numa audiência com um senador do Pará para tratar sobre assuntos de interesse da Amazônia, o “enfastiado” burocrata das Relações Exteriores disse que certo organismo multilateral está promovendo um ótimo trabalho, ao que o senador respondeu:
— Engraçado. Estou na política há mais de 30 anos e nunca ouvi falar desse órgão.
A cara cor de cera por falta de sol do tal diplomata, ficou vermelhinha, vermelhinha…! Como um tomatinho cereja prontinho para ser colhido… do cargo, é claro.

Mais um auxílio emergencial?

A segunda leva do  novo auxílio emergencial começou a ser paga em abril. A quarta e última parcela deve ser paga até o fim de agosto. Porém, conforme o ministro da Economia Paulo Guedes afirmou na quinta-feira (27), é obrigatório que o o governo renove os pagamentos do auxílio, caso as mortes por covid-19 continuem em alta e a vacina contra o novo coronavírus não alcance grande parte da população. “O auxílio é uma arma que nós temos que pode sim ser renovada”, enfatizou ele.

— Será que o País aguenta?

Mais uma dose…

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que as vacinas contra o coronavírus precisarão ter uma dose de reforço. A declaração foi dada na quinta-feira (27), durante seu depoimento à CPI da Covid, no Senado. Dimas destacou que a vacina não protege 100%.

…de todas as vacinas

Covas revelou que demais farmacêuticas estudam a aplicação de uma dose de reforço da vacina contra a Covid. O instituto é responsável pela produção do imunizante Coronavac, desenvolvido em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Senador Zequinha Marinho (PSC-PA) em pronunciamento via videoconferência na sessão de votação do Senado

Senado aprovou

As sessões deliberativas virtuais do Senado Federal desta semans aprovaram a proposta que prorroga a vigência da isenção do IPI na compra de carros para transporte autônomo de passageiros e para pessoas com deficiência física (PL 5.149/2020).

Aprendizagem

Os senadores aprovaram também a prorrogação dos estágios e dos contratos de aprendizagem, para até três anos, durante a pandemia (PL 4.014/2020). Assim como, o projeto de lei que suspende, enquanto durar a pandemia, o prazo de 180 dias para a isenção do Imposto de Renda sobre os ganhos obtidos na venda de imóvel (PL 3.884/2020) e medida provisória que prorroga o prazo de vigência de medidas emergenciais para a aviação civil brasileira em razão da pandemia da covid-19 (MP 1.024/2020).

Voto impresso

A comissão especial criada pela Câmara dos Deputados para analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 1352019, sobre o voto impresso, realizou mais uma audiência pública na quinta-feira (27), atendendo a requerimentos da deputada Bia Kicis (PSL-DF), autora da proposta, e dos deputados do PT Arlindo Chinaglia (SP), Carlos Veras (PE) e Odair Cunha (MG).

Convidados

No debate, a deputada Bia Kicis defendeu a impressão do voto para permitir a auditagem dos resultados das eleições. Já os deputados do PT lembraram que a urna eletrônica foi implantada justamente para proteção ao voto. Foram ouvidos como convidados o presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais, Marcos de Almeida Camargo e o especialista em auditoria, consultoria e perícia contábil Roger Maciel.

Votações da semana na Câmara dos Deputados

Câmara aprovou

A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (26) a Medida Provisória 1021/2020, que aumentou o salário mínimo para R$ 1.100,00, a partir de 1º de janeiro. Em relação ao valor anterior (R$ 1.045), o reajuste é de 5,26%. A matéria será enviada ao Senado.

Barreiras sanitárias em terra indígenas

Na quinta-feira (27), após deliberado tumulto da oposição, os deputados aprovaram a Medida Provisória 1027/2021, que autoriza a Fundação Nacional do Índio (Funai) a planejar e montar barreiras sanitárias em áreas indígenas com o objetivo de evitar o contágio e a disseminação da Covid-19 na população local.

Críticas

A proposta sofreu críticas de deputados da oposição e da única representante indígena do Congresso, a deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), que havia apresentado 14 emendas, mas, o relator da matéria, deputado Nilto Tatto (PT-SP), recomendou a rejeição de todas as 92 emendas por causa da proximidade do prazo de validade da MP, que termina em 1º de junho.

Mudanças

Tatto propôs que as sugestões dos parlamentares sejam discutidas posteriormente em um projeto de lei. O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), apoiou a proposta e se comprometeu a discutir os termos do projeto de lei a ser apresentado na Casa.

Estações terrenas de internet por satélite

Em votação no Plenário da Câmara dos Deputados na quarta-feira (26), por meio de um destaque do DEM, foi aprovou parcialmente emenda do Senado que propunha a retirada do texto do relator, deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), de todas as mudanças feitas no âmbito da Medida Provisória 1018/2020 que excluiu do texto apenas o trecho sobre o direcionamento de menos recursos do fundo para a educação pública.

Redução de encargos

Desta forma, a MP que propunha a redução de encargos para estações terrenas de internet por satélite e muda regras de aplicação de recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) e de incidência de tributos sobre plataformas de streaming acabou sendo aprovada e vai à sanção presidencial.

Deputado federal Eduardo Costa: “Como médico não posso ser omisso com o sofrimento de milhares de famílias”

Ciência e evidências clínicas

O deputado federal Eduardo Costa (PTB-PA), ao comentar a polêmica em torno do projeto de lei 399/2015 disse na condição de médico: “Não posso me omitir em legislar a favor de mais de 10 milhões de pessoas que sofrem de doenças raras e dores crônicas em nosso país. Brasileiros que poderão ter acesso aos medicamentos à base dos canabinoides, extraídos da Cannabis. As polêmica que envolvem estes medicamentos devem ser fundamentadas nas evidências clínicas e na ciência”, respondendo críticas de ataques de pessoas que erroneamente sustentam que o PL autoriza o plantio de maconha para fins recreativos.

Senador Zequinha Marinho (PSC-PA) foi um dos agraciados com a Medalha de 10 Anos de Atividades da Associação PanAmazônica

Bem-recebido

O executivo Belisário Arce, secretário-executivo da Associação PanAmazônia

foi recebido por várias autoridades em Brasília nesta semana, quando tratou de sua indicação à vaga de direção, que abre no final do ano, na Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). O governo brasileiro tem o direito, no rodízio entre os oito países membros, de apresentar um nome para o próximo mandato da entidade que hoje é ocupada por pessoas totalmente estranhas à Amazônia, salvo meia dúzia de funcionários brasileiros, nenhum nascido na região.

“Amazonizar” a OTCA

Belisário Arce apresentou ao Itamaraty linhas gerais de um plano para “amazonizar” e fortalecer a OTCA. “Nosso objetivo é estabelecer os mecanismos necessários para tornar mais relevante e concreta a cooperação amazônica em benefício dos países membros e que a sociedade amazônica seja efetivamente beneficiada com o trabalho da entidade”, disse.

Respaldo

Inúmeros senadores e altas autoridades brasileiras declararam apoio ao amazônida e vão recomendar ao governo brasileiro apresentar seu nome para a deliberação dos governos dos demais países amazônicos. O estatuto da entidade exige a unanimidade do nome indicado, como ocorre na ONU, por exemplo.

Comenda

Na oportunidade, Belisário foi o portador de medalhas comemorativas dos 10 anos das atividades da Associação PanAmazônia acompanhadas dos respectivos certificados que forem entregues a personalidades que contribuem, através de sua atuação profissional, empresarial ou política, para o desenvolvimento de toda a Amazônia Legal.
Várias autoridades se declararam honradas em terem sido escolhidas para receber a honraria.

Efemérides

Comemora-se no domingo (30), o “Dia da Batata Frita” e o “Dia do Decorador”.
Na segunda-feira (31), será o “Dia Mundial Sem Tabaco”.
Na terça-feira (1º), os aplausos são pelo transcurso do “Dia Mundial dos Pais e das Mães”.
E fechando o ciclo da semana, na quinta-feira (3), os católicos de todo o mundo oram no dia de “Corpus Christi”.

De volta na semana que vem

Aos milhares de leitores da Coluna, avisamos que estaremos de volta na próxima semana publicando direto de Brasília, as notícias que afetam a vida de todos os brasileiros, com as reportagens exclusivas aqui no Blog do Zé Dudu.

Como a vacina ainda não está disponível para todos, evite sair de casa. Se sair de casa use máscaras e use álcool gel nas mãos e não fique em lugares com aglomeração de pessoas, mesmo ao ar livre. Cuide de sua saúde e da sua família. Um ótimo final de semana a todos.

Val-André Mutran – É correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.
Contato: valandre@agenciacarajas.com.br
Esta Coluna não reflete, necessariamente, a opinião do Blog do Zé Dudu e é responsabilidade de seu titular.

Publicidade