Caravana Pro Paz Cidadania atende mais de 1,5 mil pessoas em Canaã dos Carajás

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por Francesco Costa – de Canaã dos Carajás
Além de padecer com os problemas decorrentes da delicada situação de saúde da filha, que sofre com convulsões desde o primeiro mês de vida, a dona de casa Eglá Silva, 30 anos, moradora do município de Canaã dos Carajás, no sudeste do Estado, enfrentava uma grande dificuldade para conseguir tirar a carteira de identidade da menina, hoje com 4 anos de idade.

3O documento era necessário para que a família pudesse dar entrada no pedido de auxílio-doença para a criança, benefício concedido para pessoas impossibilitadas de exercer atividade profissional. “Os médicos nos orientaram a buscar esse benefício porque ela dificilmente vai conseguir trabalhar. Além disso, o tratamento é caro. Temos de pagar plano de saúde, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, e tudo isso é muito dispendioso”, explicou.

Foi graças à Caravana Pro Paz Cidadania, que chegou nesta quarta-feira (24) ao município de Canaã dos Carajás, que a pequena Geovana, filha de Eglá, conseguiu a carteira de identidade e o CPF, especialmente concedidos a ela, pois, em geral, a idade mínima para se expedir os documentos é a partir dos 14 anos de idade.

Quem também aproveitou o mutirão para resolver pendências familiares foi a professora Valdete Fernandes, 45 anos. Moradora da Vila Planalto, na sede de Canaã, ela é sogra da jovem Sandreia Silvestre, que tem 21 anos e é natural do município de Água Azul do Norte, também na região sudeste do Estado. Sandreia é a mãe de duas crianças, uma das quais é neta de Valdete, e nunca teve nenhum documento. Por conta disso, os dois meninos, um com 4 anos e outro com 5 meses de vida, também ainda não puderam ser registrados.

4“A gente tem tentado resolver a situação desde que ela entrou na família, ano passado, mas nunca tivemos sucesso, porque nos outros órgãos essa questão é mais demorada. Aqui, no entanto, já peguei a minha senha e estou com esperança de resolver o problema o mais rápido possível”, frisou, logo que chegou à Escola Municipal Tancredo Neves, onde o atendimento foi feito.

Para Valdete, o mutirão facilita muito a vida da população, principalmente por conta da agilidade do atendimento. “No caso da minha nora, como ela já é maior de idade, a gente teria que buscar uma solução no fórum ou no cartório e, nesses locais, o processo é mais demorado, então o mais interessante de virem serviços como esses para o interior é que eles resolvem com maior rapidez”, destacou.

Ao todo, ao longo do dia de trabalho na cidade, a Caravana Pro Paz Cidadania fez 1.526 atendimentos, entre os quais 508 emissões de carteira de identidade; 321 fotografias; 309 CPFs; 242 carteiras de trabalho; 105 atendimentos jurídicos e 41 certidões de nascimento.

Para o prefeito Jeová Andrade, a ação teve uma grande importância, pois, assim como a maioria dos municípios da região Carajás, Canaã sofre com um intenso fluxo migratório, formado, na maior parte, por pessoas que vão para a cidade em busca de uma oportunidade de emprego, em projetos como a mina Sossego, que opera com a extração de cobre, e o grandioso projeto de minério de ferro Carajás S11D, que vai implantar no município uma nova mina e usina de beneficiamento de ferro, expandindo, ainda mais, a atividade mineradora na região.

“Costumamos dizer que, junto com esses projetos, vêm também os problemas sociais, sendo que os problemas chegam antes dos investimentos. Um dos principais, sem dúvida, é a falta de documentação para a população. Daí a importância dessa ação em parceria com o governo do Estado, que tem se mostrado sensível e disposto a ajudar a resolver as nossas demandas”, disse o prefeito.

Segundo ele, o município ficou três anos sem emitir carteira de identidade, serviço que só agora foi retomado. “A nossa demanda reprimida era muito grande. O trabalho do governo do Estado certamente vai ajudar a tirar o nosso povo do isolamento que significa não ter documento”, ressaltou.

Publicidade

Posts relacionados