Canaã: Vigilância Sanitária organiza palestra sobre doença da urina preta

Na próxima segunda (20), comerciantes do setor de pescado receberão informações também sobre acondicionamento de alimentos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Apesar de não haver registros de casos no Estado do Pará, a Secretaria Municipal de Saúde se mobiliza para prevenir o surto da Doença de Haff, conhecida como “Doença da Urina Preta, em Canaã.

As equipes de vigilância sanitária e em saúde realizam palestras com comerciantes nesta segunda-feira (20). O objetivo é conscientizar logistas e vendedores de peixes, crustáceos e frutos do mar sobre as boas práticas de acondicionamento e conservação dos alimentos.

Segundo a Secretaria de Saúde do Estado o Pará, o consumo desse tipo de alimento não está proibido, porém os consumidores devem ficar atentos à qualidade dos peixes bem como o acondicionamento, preferindo vendedores de confiança.

Doença de Haff

A doença é causada por uma toxina que pode ser encontrada em determinados peixes como o tambaqui, o badejo e a arabaiana ou crustáceos (lagosta, lagostim, camarão).

Quando o peixe não é guardado e acondicionado de maneira adequada, ele cria uma toxina sem cheiro e sem sabor. O ser humano, ao ingerir o produto, mesmo cozido, a toxina provoca a destruição das fibras musculares esqueléticas e libera elementos de dentro dessas fibras no sangue, ocasionando danos no sistema muscular e em órgãos como os rins.

Sintomas:

Ocorre extrema rigidez muscular de forma repentina, dores musculares, dor torácica, dificuldade para respirar, dormência, perda de força em todo o corpo e urina cor de café, pois o rim tenta limpar as impurezas, o que causa uma lesão na musculatura. A doença causa muitas dores musculares, lembrando a dengue, porém sem febre.

Os sintomas costumam aparecer entre 2 e 24 horas após o consumo dos peixes ou crustáceos.

Tratamento:

A hidratação é fundamental nas horas seguintes ao aparecimento dos sintomas, uma vez que assim é possível diminuir a concentração da toxina no sangue, o que favorece sua eliminação através da urina. Nos casos graves, pode ser necessário fazer hemodiálise.

Prevenção:

Não consumir pescados ou crustáceos cuja origem, transporte ou armazenamento sejam desconhecidos. O ideal é comprar esses produtos em locais com garantia de segurança.

Recomendação:

Ao sentir dores musculares e apresentar urina escura após o consumo de peixes ou crustáceos, deve-se procurar imediatamente uma unidade de saúde.

Com informações da Ascom