Campanha Janeiro Roxo reforça ações de prevenção contra Hanseníase em Parauapebas

A programação visa promover a campanha 'Janeiro Roxo' chamando a atenção para o diagnóstico precoce, prevenção, sintomas e tratamento da doença da pele, que é transmissível
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Os Centros de Saúde de Parauapebas oferecem ações especiais sobre a conscientização da Hanseníase durante o mês de janeiro. A programação visa promover a campanha ‘Janeiro Roxo’ chamando a atenção para o diagnóstico precoce, prevenção, sintomas e tratamento da doença da pele, que é transmissível. A iniciativa é da Prefeitura Municipal de Parauapebas por meio da Secretaria de Saúde e ao longo do mês os moradores vão poder participar de palestras educativas, rodas de conversa e avaliações.

Em alusão a campanha, foi realizada na manhã desta quinta-feira, 16, na Policlínica, uma palestra ministrada pela Dra. Greice Grabener, aos pacientes presentes. Na ocasião a dermatologista falou sobre sinais, sintomas, a importância do diagnóstico precoce da doença e do tratamento.

De acordo com a Dra. Greice, a intenção da ação é romper o ciclo de transmissão da doença. “Não basta apenas realizar o diagnóstico e tratar as pessoas. É necessário multiplicar a informação sobre as formas de transmissão e como evitar que novos casos ocorram”, disse a dermatologista.

A coordenadora do Programa de Controle da Hanseníase e Tuberculose, Lívia Cristina está à frente da campanha e ressalta que a culminância da campanha será no próximo dia 21, de 13h às 17h, na Unidade de Saúde do Bairro dos Minérios, onde será realizada uma capacitação para a equipe de saúde com o tema: diagnóstico precoce da Hanseníase na Atenção básica.

“Estamos trabalhando com o tema desde o início do mês com várias ações em diferentes pontos da cidade e na zona rural, realizando atividades educativas (palestras e roda de conversa) para comunidade e uma programação para os profissionais de saúde, treinamento e capacitações para os médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, agentes comunitários de saúde e demais profissionais que atuam nas unidades básicas, policlínica, CAPS e HGP, Inclusive para os profissionais que atuam na zona rural. É de grande interesse do nosso prefeito Darci Lermen e do nosso Secretário de Saúde, Gilberto Laranjeiras, que o maior grupo de pessoas seja atingido através desta campanha, para evitar que novos casos ocorram”, ressalta a coordenadora.

Em Parauapebas, no ano de 2019 até o mês de outubro foram diagnosticados 177 casos novos, o que revela uma tendência de elevação no número de casos para o período avaliado. A incidência da hanseníase em Parauapebas é de 54,26 casos para cada 100 mil habitantes. Os pacientes fazem o tratamento da doença na rede municipal de saúde. O tratamento é realizado por profissionais capacitados e as medicações estão disponíveis em todas as unidades básicas de saúde, nas zonas urbana e rural.

Texto: Luciana Queiroz / Nívia Lima – Ascom Semsa

Publicidade