CAE do Senado aprova crédito de US$ 195 milhões para defesa agropecuária

Concebido para fortalecer o controle de pragas vegetais e doenças em animais, o programa é um sonho antigo do Ministério da Agricultura
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Sonho antigo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e concebido para fortalecer o controle de pragas vegetais e doenças em animais, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta terça-feira (29), projeto de resolução que autoriza a contratação, pelo governo federal, de empréstimo junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no valor de até US$ 195 milhões (R$ 780 milhões). O texto, proposto na MSF 71/2019, segue com urgência para o Plenário.

Os recursos se destinam ao financiamento do Programa de Modernização e Fortalecimento da Defesa Agropecuária (Prodefesa), criado para fortalecer o controle de pragas vegetais e doenças em animais. Dentre as ações do programa está incluso a campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa.

Um pedido solicitado pelo senador Esperidião Amin (PP-SC) quase adia a votação. O senador queria mais informações sobre os critérios para distribuição de recursos. Mas antes do fim da reunião, Amin disse ter sido informado sobre o plano de aplicação desses recursos e retirou o pedido de adiamento da análise da proposta, liberando a votação.

Os custos do projeto serão divididos da seguinte forma: US$ 80 milhões (R$ 320 milhões) para o controle e erradicação de pragas vegetais e de doenças de animais (aftosa e outras); US$ 80 milhões (R$ 320 milhões) para melhoria na prestação dos serviços de defesa agropecuária; US$ 35 milhões (R$ 140 milhões) para cooperação técnica para o fortalecimento institucional (fortalecimento do Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergências Veterinárias – Sisbravet), implantação do Parque Tecnológico em Defesa Agropecuária junto ao Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) de Pedro Leopoldo (MG) e do Centro Regional de Avaliação de Risco.

Senador Zequinha Marinho

O senador Zequinha Marinho (PSC-PA), que vinha há algum tempo cobrando que o governo federal fortalecesse as ações de combate às pragas e doenças que trazem risco ao setor agropecuário, festejou a aprovação do recurso pelo Senado Federal.

“Nossa agropecuária avançou e ocupa hoje um lugar de destaque em nossa economia exatamente pelas iniciativas exitosas de estímulo à pesquisa e para combater pragas e doenças que acabavam trazendo sérios prejuízos à produção. Não poderíamos voltar atrás”, comentou o senador que destaca que “o recurso chega em boa hora para que nossa produção possa continuar avançando. No segmento da fruticultura, por exemplo, somos o 3º maior produtor mundial, porém o Brasil ainda explora pouco esse potencial comercial. Somos o 23º na exportação de frutas”, ressaltou o senador.

Sobre a fruticultura, Zequinha chama atenção para a ameaça da mosca da carambola e observa que o recurso aprovado pelo Senado poderá ser utilizado para exterminar a praga. “Um dos meus primeiros pronunciamentos no Senado foi sobre a ameaça da mosca da carambola. Há época, cobrava iniciativas que afastassem o risco dessa praga se disseminar no país, provocando perdas irreparáveis para a nossa produção agrícola.

A fruticultura gera 5 milhões de empregos diretos. Com uma área de 2,5 milhões de hectares cultivadas de frutas, a exportação da produção brasileira garante, anualmente, US$ 1 bilhão (R$ 4 bilhões) para a economia brasileira”, defendeu o senador Zequinha.

O relator da mensagem na CAE foi o senador Angelo Coronel (PSD-BA) que recomendou a aprovação da proposta. A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) afirmou que o programa beneficiará toda a produção agropecuária do país.

“Esse é um projeto com que o Ministério da Agricultura sonha há algum tempo. Ele é essencial para melhorar, corrigir distorções e modernizar a defesa agropecuária do país”, explicou.

Brasil livre da Aftosa

De acordo com a Divisão de Febre Aftosa (Difa) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), 337.713.800 doses de vacinas foram aplicadas somente em 2018. Nos anos seguintes, a pasta prevê a redução do uso da vacina, seguindo as determinações do Plano Nacional de Erradicação de Febre Aftosa (PNEFA). Em 2019, serão 308.235.501 vacinas; em 2020, 269.395.197; e em 2021, 155.118.834.

Até 2022, quase R$ 1 bilhão devem ser economizados com a diminuição das doses, valor que não contabiliza os custos relacionados ao manejo envolvido na vacinação.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília

Publicidade

Relacionados