Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Chuvas

BR-155: Rio Maria tem 400 famílias desalojadas. Dnit segue com equipes em Xinguara

Chuvas dos últimos dias derramaram 145 milímetros de água naquela região, quase o dobro da média de 80 milímetros
Continua depois da publicidade

Por Eleutério Gomes – de Marabá

A cidade de Rio Maria, a 270 km de Marabá, na Rodovia BR-155, está sendo duramente castigada pelas chuvas que estão caindo na região. Devido a subida e transbordamento do rio que dá nome ao município, nos últimos dois dias, 400 famílias estão desalojadas – mudaram-se para a casa de parentes ou amigos – e duas desabrigadas. De acordo com o comandante do 10º Grupamento Bombeiro Militar, de Redenção, major Marcos Felipe Galúcio Souza 10º GBM, a situação deve se prolongar por mais alguns dias.

Ele esteve na cidade levantando dados da situação a fim de fazer detalhado relatório para a Defesa Civil Estadual e também a fim de orientar as Defesas Civis Municipais sobre como também elaborar esse tipo de documento. Galúcio salientou que o volume de água que caiu nos últimos chegou a 145 milímetros, quando a média anual é de 80 milímetros, “e isso em época de muita chuva forte”.

Quanto ao rompimento da Rodovia BR-155, a 3 quilômetros de Rio Maria no sentido de Marabá, o major informou ao Blog que, além da forte vazão do Rio Mariazinha, o rompimento da barragem do Condomínio Nova Suíça, em Xinguara, colaborou para que a situação se agravasse, pois, fez aumentar a força da correnteza.

Veja também:  Bairros impactados pelas obras das Eclusas receberão 16 obras de infraestrutura

Equipes do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) estão tanto lá quanto à altura do Rio Vermelho, na localidade Gogó da Onça, segundo o supervisor do órgão em Marabá, Jairo de Jesus Rabelo. Ele explicou ao Blog na noite desta quarta-feira (7) que conseguiu liberar o tráfego em parte da pista, mas o trabalho segue em ritmo lento porque o  material empregado no reparo está muito úmido.

“Há dois engenheiros e equipes na BR-155 verificando qual o melhor tipo de intervenção que pode ser feito para que a estrada seja logo recuperada. No momento, provisoriamente, estamos usando material mais seco, rocha”, detalhou ele. (Fotos cedidas pelo major BM Galúcio)

Deixe uma resposta