Balança comercial brasileira perde US$ 6 Bi com crise do minério de ferro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Cerca de US$ 6 bilhões deixarão de entrar na balança comercial brasileira neste ano por causa da queda nos preços do minério de ferro. O cálculo é da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), que considerou o preço médio de US$ 80 por tonelada exportada na estimativa. Segundo a associação trata-se de uma estimativa conservadora.

Minério de ferro

No terceiro trimestre deste ano, porém, a Vale exportou minério de ferro por US$ 68 a tonelada, em média. Logo, o déficit na balança comercial pode ser ainda maior.

O segundo principal produto exportado pelo Brasil – o minério perdeu o posto recentemente para a soja– tem o pior desempenho entre as commodities neste ano.

O preço do minério acumula desvalorização de 48% desde janeiro. Hoje (3), a tonelada do minério brasileiro com 65% Fe exportado CIF para o porto de Qingdao, na China, foi cotada a US$ 78, segundo dados do Metal Bulletin.

Na média, o valor do minério exportado pelo Brasil ficará entre US$ 65 e US$ 70 por tonelada no próximo ano, segundo estimativa da AEB.

“A projeção está bem otimista. O preço da tonelada exportada já está ao redor de US$ 60”, diz José Augusto de Castro, presidente da AEB, em referência aos valores divulgados periodicamente pelo Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio.

O impacto na balança, porém, deve ser menos intenso em 2015, devido à base de comparação mais baixa.

Castro tem uma estimativa para as perdas com o baixo preço do minério no próximo ano: US$ 2 bilhões. Mas declara que esse número é preliminar. A AEB deve divulgar a sua primeira estimativa para o saldo comercial do ano que vem no próximo dia 17.

Além do minério, contribuirão para a queda no total das exportações a soja e o petróleo, que também enfrentam cenário de queda de preços. Em contrapartida, o país deve gastar menos com a importação de gasolina e diesel.

A maior incógnita, diz Castro, refere-se ao comércio de produtos industrializados. A tendência é que a taxa de câmbio ajude as exportações e que a retração na demanda interna limite as importações.
“Podemos até ter um superávit no ano que vem. Mas ele será negativo, mais motivado por uma queda na demanda do que pelo aumento das vendas externas”, afirma. As informações são da Folha de S.Paulo.

Publicidade