Assassinato de Décio Sá: "Não faz isso, não!", teria dito o jornalista após primeiro tiro

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

imageQuatro suspeitos de envolvimento na morte do jornalista maranhense Décio Sá já foram presos desde a noite desta quarta-feira. A informação foi confirmada na manhã desta quinta-feira pelo secretário estadual de Segurança Pública, Aluísio Mendes.

Os nomes dos presos só serão divulgados quando a polícia terminar as investigações e tiver certeza da ligação deles com o crime. “Essas informações ainda são muito prematuras para serem divulgadas. Nós temos, sim, suspeitos e alguns estão detidos. Não queremos comprometer a investigação e nem cometer alguma injustiça com inocentes”, alertou Joelson Costa, investigador de polícia do Maranhão.

Ainda segundo a polícia, ligações para o Disque-Denúncia ajudaram no cerco aos suspeitos. Um deles já foi identificado como ex-presidiário e há indícios de que ele teria ajudado o assassino de Décio a fugir do local. Ele foi detido nesta quinta-feira.

A investigação ainda está na fase inicial e a polícia aguarda análise das impressões digitais deixadas em um carregador de balas que o criminoso deixou cair. “Vamos poder localizar a origem da arma pelo número de série do carregador e identificar o lote de munição de onde saíram as balas que mataram o jornalista”, disse Mendes.

Décio Sá é o quarto jornalista assassinado no Brasil só este ano.

O Disque-Denúncia do Maranhão oferece R$100 mil para quem ajudar no deciframento da morte do jornalista pelos telefones (98)3223-5800 e 0300 313 5800.

Pedido de clemência
Segundo a dona do bar onde Décio Sá foi assassinado, Jackcilene Moreira, o jornalista ainda pediu por clemência ao levar o primeiro tiro. Ele teria levantado o braço e gritado “Não faz isso, não!”. Testemunhas oculares contam que ao chegar ao bar Estrela do Mar, o blogueiro pediu uma comida e ficou tomando cerveja enquanto esperava, sozinho em uma mesa. O assassino teria entrado, identificado-o e atirado nele pelas costas. As pessoas ficaram apavoradas e saíram correndo. “Era mesa virada pra todo lado, pedaços do cérebro dele espalhados, um horror”, contou Jackcilene. Ela ainda revelou que o garçom que estava trabalhando no momento está traumatizado, dizendo que não quer mais voltar a trabalhar.

Com informações de SRZD e Meionorte.com

Relacionados