Aprovado plano de recuperação da Celpa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Os credores da distribuidora de energia Centrais Elétricas do Pará (Celpa), do grupo Rede Energia, aprovaram em assembleia no sábado, em Belém (PA), o plano de recuperação judicial da empresa. A proposta é adquirir o controle da Celpa pela Equatorial, dona da Cemar, distribuidora maranhense.

A reunião, remarcada por três vezes, começou pela manhã e se estendeu até o fim da tarde. O administrador judicial da Celpa, Mauro Santos, disse que a decisão dá um “respiro” à companhia. “Demos uma blindada na Celpa, mas ainda há um longo caminho pela frente”, afirmou. A dívida beira R$ 3,5 bilhões.

Segundo o administrador, cerca de 300 pessoas, na condição de representantes de mais de 1,5 mil credores, participaram do encontro. Santos disse que representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) também estavam presentes à reunião. Ele negou que a agência tenha decidido que a Equatorial não tinha condições de assumir a Celpa. Para ser validado, o plano depende de aprovação da Aneel.

O executivo disse que o pedido de extinção da recuperação judicial da Celpa, feito na sexta-feira pelo governo, com base na Medida Provisória 577, foi indeferido pela juíza Maria Filomena de Almeida Buarque, da 13ª Vara Cível de Belém. No mesmo dia, a Aneel decretou intervenção em oito das nove distribuidoras da Rede Energia devido ao alto endividamento do grupo. A Celpa poderia sofrer a mesma medida, caso a negociação com os credores fosse suspensa.

O plano foi aprovado por unanimidade por credores trabalhistas, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco da Amazônia. Na categoria dos quirografários (credores sem garantias reais), a aprovação foi de 71,35%. Esse grupo inclui bancos públicos e privados, prestadores de serviços e fornecedores.

A recuperação judicial da Celpa, única distribuidora elétrica do Pará, prevê aporte imediato de R$ 350 milhões na empresa. A Equatorial informou que se compromete a investir mais R$ 350 milhões no prazo de dois anos.´

Fonte: Valor Econômico

Publicidade

Posts relacionados