Após novo ataque, MPF pede escolta policial para indígenas Munduruku irem à Brasília denunciar garimpos ilegais

O grupo indígena ia seguir para Brasília na última quarta-feira (9), mas o ônibus onde viajariam foi atacado por um grupo de garimpeiros e teve os pneus furados e o motorista foi ameaçado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Ônibus que ia transportar lideranças Munduruku teve os pneus furados por garimpeiros

Continua depois da publicidade

O Ministério Público Federal (MPF) requisitou escolta e proteção policial para que lideranças do povo Munduruku possam se deslocar de Jacareacanga, no sudoeste do Pará, até Brasília, onde estão previstas reuniões e manifestações contra as invasões de garimpeiros em suas terras. As lideranças indígenas seguiriam na última quarta-feira (9) para a capital federal, mas o ônibus onde viajariam foi atacado por garimpeiros, que furaram os pneus do veículo e ameaçaram o motorista.

O MPF enviou uma requisição direta à Força Nacional de Segurança Pública, a Polícia Rodoviária Federal e à Força Nacional de Segurança pública para que façam a escolta e garantam proteção aos Munduruku. No documento o MPPA argumenta que, “considerando as sucessivas e incessantes violências praticadas contra os Munduruku que se opõem a tomada do seu território por mineradores ilegais e seus financiadores, no período de 13 a 19 de junho, empreguem agentes, veículos e equipamentos em quantitativo suficiente para garantir a segurança pessoal e realizar a escolta dos indígenas que pretendam se locomover do município de Jacareacanga até o Distrito Federal”.

O MPF também enviou uma petição à Justiça Federal em Itaituba, pedindo que seja garantida a escolta para a participação das lideranças nas reuniões e manifestações marcadas na capital federal. A escolta, sustenta o MPF, deve ser realizada pelas forças policiais necessárias, sejam da Polícia Militar, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal ou Força de Segurança Nacional.

A petição lembra que, em setembro de 2020, indígenas favoráveis ao garimpo foram transportados em avião da Força Aérea Brasileira até Brasília, para defender as atividades ilegais. Além de requisitar a escolta policial, a petição do MPF à Justiça também pede que seja executada a multa de R$ 50 mil por dia contra o governo federal, pelo descumprimento da ordem judicial de 29 de maio, que ordenou o retorno das forças policiais federais para a região de Jacareacanga, após uma série de ataques contra a Polícia Federal e uma aldeia indígena, onde duas casas foram incendiadas pelos garimpeiros.

Segundo o Ministério Público Federal, os ataques de quarta-feira e da semana anterior se incluem em uma série de atentados promovidos por garimpeiros contra as lideranças Munduruku que são contrárias às atividades de mineração ilegal em suas terras. O MPF classifica a situação em Jacareacanga como “inacreditável” e reputa à ausência do Estado Constitucional o fortalecimento de um grupo “cujo método de alteração da realidade é a violência”.

“Oportuno repisar que se está diante de organização patrocinada e orientada por diversos integrantes da cadeia econômica de exploração do minério de ouro, tal como se demonstra a partir de evidência recente, confirmada por inspeção realizada pela Polícia Rodoviária Federal, por meio da qual se elucida uma lista de ‘patrocinadores’ que promoveram o fretamento de diversos ônibus para o transporte indígenas e não indígenas a Brasília, em 19 de abril de 2021, com o fim de ludibriar autoridades públicas acerca de um inexistente consenso Munduruku derredor da prática da atividade ilegal”, explica a petição judicial.

Na petição, o MPF exemplifica que, “além de financiados por extensa organização criminosa, o grupo pró-garimpo ainda se empenha em impedir, a qualquer custo, que a parte contrária seja ouvida pelas autoridades da República, o que por outra via constitui gravíssima ofensa a direitos fundamentais encartados na Constituição Federal”.

Tina DeBor

Publicidade