ALEPA: projeto que prevê a privatização dos serviços públicos foi adiado.

Por pressão dos trabalhadores em educação e outras categorias do serviço público estadual, a Assembleia Legislativa do Estado do Pará retirou da pauta de votação o Projeto de Lei que …

Por pressão dos trabalhadores em educação e outras categorias do serviço público estadual, a Assembleia Legislativa do Estado do Pará retirou da pauta de votação o Projeto de Lei que prevê a privatização da educação e outros serviços públicos.

O Projeto de Lei, nº 210/2011, ou PPP, denominado por Jatene, institui a parceria público-privadas para gerir a educação e serviços públicos ofertados à sociedade de grande importância, repassando à iniciativa privada. Esta lei na prática, precariza ainda mais a relação de trabalho e investimento na valorização do servidor público, que passa a ser gerido por empresas.

Se aprovado como quer Simão Jatene, serão privatizados serviços essenciais ao povo, desobrigando o governo do estado na garantia destes serviços:
1)    Transporte público
2)    Saneamento
3)    Produção e distribuição de energia elétrica
4)    Modernização da Administração Pública
5)    Educação, Saúde e Assistência Social
6)    Segurança Pública, Defesa, Justiça e Sistema Prisional
7)    Ciência, Pesquisa e Tecnologia
8)    Outras áreas públicas de interesse social

O projeto vai permitir que determinada empresa administre uma ou várias escolas ao mesmo tempo. Sendo que os recursos serão repassados diretamente à escola que terá uma direção nomeada pela própria empresa, que gerenciará o patrimônio público da escola, como recursos, prédios, funcionários, etc.

Lembramos que todas as privatizações protagonizadas pelos governos tucanos sempre beneficiaram os empresários “amigos do peito” de FHC / Almir Gabriel e Simão Jatene, senão vejam o que aconteceu com a Celpa, patrimônio paraense que foi vendida a preço de “banana” e que até hoje o dinheiro não apareceu.

Os trabalhadores estarão vigilantes quanto a mais esta tentativa de desmonte dos serviços públicos pelo governo omisso de Simão Jatene. Pois este modelo de governar não serve aos interesses dos trabalhadores, nem tão pouco aos paraenses. Por isto, o SINTEPP convoca a categoria para permanecer vigilante e atenta para barrarmos mais este ataque à educação, que agoniza mais ainda é um bem do povo, que necessita de investimentos e um governo que a valorize.

Fonte: Sintepp

7 comentários em “ALEPA: projeto que prevê a privatização dos serviços públicos foi adiado.

  1. Carlos Padilha Responder

    Sou a favor de privatizações, principalmente as PPP onde foram implantadas deram certo, isso se com regras bem claras, pq a produtividade aumenta, acaba com cabides de emprego, enxuga a máquina e o serviço melhora. Veja exemplo empresas privadasxempresas publicas, em quase todos quesitos as privadas estão superiores, excluindo universidades por ter apoio a pesquisas.

  2. marcia elena da costa Responder

    o povo deve ficar unido contra esses mercenários que não tem qualquer pudor quando se trata de encher seus bolsos de dinheiro.
    devemos estar atentos, afinal já temos um exemplo de desreipeito ao dinheiro público, que foi a privatização da celpa, hoje o povo paga caro e recebe um dos piores serviços do Brasil.

  3. Fabrício Responder

    É impressão minha mas só quem reclama de privatização são os que ficaram de fora do bolo??? Ou então: se as privatizações fossem idéia PTista todos estariam aplaudindo, não é??

  4. shirlei Responder

    é meus caros, mais uma vez querem fazer o povo de palhaço agora com a educação, que os politicos sabem que está sim pode deixar muitos corruptos longe das eleiçoes vamos já urgente se manifestar contra antes que seja tarde …..

  5. Guerreiro Responder

    Se não fosse a oportuna e atenta atuação de deputados oposicionistas, o projeto de lei, incluido às pressas na pauta do final de ano para ser aprovado sem o debate necessário, teria sido aprovado. Os Sindicatos dos Bancários, dos Urbanitários, os deputados do PT e PSOL, juntamente com o movimento social, conseguiram barrar as pretensões do atual governo, pelo menos por enquanto. O projeto volta à ALEPA no próximo ano e todo cuidado é pouco, basta se ver o relatado no livro “A Privataria Tucana”, para estarmos cientes do que pode estar por trás das intenções da tucanalhada!

  6. Senna Responder

    Certamente que o modelo privatista já mostrou-se nefasto. De uma coisa estamos certos sem investimento em gestão pública fica complicado… Mas, concordo fiquemos de olho!

Deixe seu comentário