Alepa fará sessão especial em defesa dos jornalistas e de outras 13 profissões

Atingidas pela MP 905/19, que acaba com registro profissional, categorias ganham apoio dos deputados, que se aliam à luta para derrubar medida provisória.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Uma sessão especial será realizada pela Assembleia Legislativa na tarde da próxima quarta-feira (4) para debater as consequências da Medida Provisória 905/2019, editada pelo presidente Jair Bolsonaro no último dia 11, que extingue a exigência do registro profissional de jornalistas, radialistas e publicitários e de outras 11 categorias, como bancários, sociólogos, arquivistas e agenciadores de propaganda.

Requerida pelo próprio presidente da Alepa, deputado Daniel Santos (MDB), e ainda pelos deputados Eliel Faustino (DEM) e Dilvanda Faro (PT), a sessão especial ganhou o apoio dos deputados Chicão (MDB), líder do Governo na Casa, Carlos Bordalo e Dirceu Ten Caten, do PT, Marinor Brito (PSol), Nilse Pinheiro (REP), Jaques Neves (PSC), Paula Gomes (PSD), Raimundo Santos (Patriota), Renilce Nicodemos (MDB), Thiago Araújo (Cidadania) e Miro Sanova (PDT).

O dia 4 de dezembro foi escolhido porque a data foi definida pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) para mobilizações em todo o País contra a MP 905/19, que institui o contrato de trabalho “verde e amarelo”. Em Brasília, uma comitiva da Fenaj deverá se reunir com os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-PA), e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para os quais será solicitada a derrubada da medida.

Para o presidente Daniel Santos, a MP representa um grande desserviço ao País. “Essa medida não deve ser efetivada a bem da sociedade”, defende ele. “Somos contra a MP visto que é um retrocesso a uma categoria que conseguiu avançar. Não podemos, enquanto sociedade, rever aquilo que foi conquistado de bom pelo País e pelos jornalistas”, diz Eliel Faustino, para quem a medida “é um desrespeito” às categorias profissionais atacadas.

Na Alepa, foi apresentada moção em que o Legislativo solicita ao Congresso Nacional para que não aprove a medida. A Fenaj considera a MP “um golpe mortal no jornalismo comprometido com a informação correta”, que ainda agiliza a jornada de trabalho de cinco horas, ao acabar com a comunicação obrigatória de extrapolação de jornada às superintendências regionais do Trabalho e Emprego (SRTEs).

A Comissão Nacional de Direitos Sociais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) elaborou e emitiu nota técnica na qual aponta inconstitucionalidades da MP/905. O documento foi entregue na terça-feira da semana passada ao presidente da Ordem, Felipe Santa Cruz.

Para o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor), Felipe Gillet, a MP  significa, na prática, a desregulamentação das profissões. “A partir da Medida Provisória não existirá mais parâmetro regulatório de leis para as profissões atingidas”, diz ele.

Além de jornalistas, radialistas e publicitários, a sessão especial deverá contar com representantes das demais categorias atingidas pela medida provisória.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade

Relacionados