Alepa entra em campo contra a depressão

Grupo de Trabalho aprova plano com 14 eixos de ações para o fortalecimento da rede intersetorial de combate à doença.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Desde outubro deste ano, um grupo de trabalho criado pela Assembleia Legislativa, com representantes de várias instituições, vem se debruçando na construção de um Plano de Ação de Prevenção à Depressão, Automutilação e Suicídio. Nesta quinta-feira (29), o grupo se reuniu pela segunda vez e aprovou um plano com 14 eixos de ações para o fortalecimento e a integração de uma rede intersetorial, voltada para o gerenciamento e a indicação da elaboração de estratégias de prevenção à depressão, automutilação e o suicídio.

“Já existem eixos de atenção à saúde emocional e mental sendo desenvolvidos. É preciso que estes tenham sincronia nas ações, convergências e integração dos entes que constituem a rede de atendimento e acolhimento das vítimas e famílias”, diz a deputada Ana Cunha (PSDB), coordenadora do GT e que também é presidente da secretaria de Inclusão Social da União Nacional de Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale).

Fazem parte do Grupo de Trabalho Antonino Alves da Silva, do Conselho Regional de Psicologia; Evanilza Marinho e Reynan Abreu, da Escola de Governo do Pará; Kelly Albuquerque, da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa); Lia Cristina Botega, da Funpapa; major César Alberto, do Corpo de Bombeiros; Milene Xavier, da Faculdade de Psicologia da Universidade Federal do Pará; Olga Castro, coordenadora do Centro de Valorização da Vida (CVV); e Rivonilda Graim, do Hospital Ophir Loyola.

“Estamos impressionados com a quantidade de jovens – crianças e adolescentes – com tendências suicidas e depressão. Nunca foi tão grande. Precisamos fazer algo, ajudar as pessoas que lidam com esses jovens para saberem o que fazer, em casa ou na escola”, aponta Olga Castro.

E oferecer capacitação nos órgãos governamentais para que os servidores possam identificar e estar preparados para o enfrentamento do problema está entre as metas do plano de ação. “A depressão, a automutilação e o suicídio são enfermidades que precisamos enxergar para melhor enfrentar”, observa Ana Cunha, que é médica ginecologista e obstetra.

Na reunião, ficou decidido que o Grupo de Trabalho (GT) será institucionalizado, para integrar a rede de atendimento de urgência e emergência cujo objetivo é facilitar procedimentos e tomadas de decisão no acolhimento às crianças, adolescentes, jovens e adultos em situação de risco pessoal e social.

 
Ana Cunha informou que o Plano de Ação de Prevenção à Depressão, Automutilação e Suicídio será levado a todos os municípios do Pará. “Vamos dialogar com os prefeitos, secretários municipais, professores e com os próprios usuários da rede”, diz a parlamentar.

Assustador

Segundo a Sespa, em 2018 o Pará registrou 301 suicídios, em sua maioria cometidos com enforcamento, uso de objetos cortantes, explosivos e armas brancas. No Brasil, estima-se que entre cinco e nove mortes, em um grupo de 100 mil habitantes, tenham ocorrido por suicídio.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada adulto que comete suicídio, ao menos outros 20 atentam contra a própria vida ou alimentam intenções nesse sentido.

Na Alepa, já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) projeto de lei da deputada Ana Cunha, que determina a notificação compulsória nos casos de violência autoprovocada, incluindo as tentativas de automutilação e suicídio, sendo obrigatório o registro de pacientes atendidos nas unidades de saúde, escolas e Conselho Tutelar. A matéria ainda precisa ser submetida ao plenário.

Na última terça-feira (26), foi aprovado na sessão plenária o projeto de lei da deputada Professora Nilse Pinheiro (REP), que institui a Semana Estadual da Conscientização sobre a Depressão no Pará, que será celebrada anualmente na segunda semana de outubro. Pela proposição, o governo poderá firmar convênios e parcerias com entidades sem fins lucrativos e instituições que tratem do tema relativo à depressão para implementar o que determina a proposição aprovada.

Publicidade

Relacionados