Adepará intensifica fiscalização no vazio sanitário da soja no sul do Pará

A ação objetiva cumprir o calendário do vazio sanitário, para tentar impedir danos às plantações, além de evitar perdas econômicas aos sojicultores paraenses
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Agência de Defesa Agropecuária do Estado Pará (Adepará) redobrou a fiscalizações nos municípios de Redenção, Santa Maria das Barreiras e Pau D’arco, no sul do Pará. As ações iniciaram no dia 3 deste mês e se estenderão até 9 de setembro, com o objetivo de proteger a safra de soja da doença Ferrugem Asiática (Phakopsora pachyrhizi).

O vazio sanitário é o período de ausência total de plantio e cultivo da soja, com intuito de prevenir a disseminação da doença, que tem como agente causal o fungo Phakopsora pachyrhizi.  Segundo a Adepará, as fiscalizações objetivam a redução da sobrevivência do fungo por meio da ausência de planta viva.

“Até o momento, nenhuma irregularidade foi constatada. Os produtores estão muito cientes das obrigações deles perante o vazio e também das penalidades que poderão sofrer com a desobediência da Portaria n° 2030/2021″, afirma a fiscal estadual agropecuária, Adra David Antônio.

Devido aos riscos que a ferrugem asiática representa, a Agência alerta para o cumprimento do calendário, que impedirá danos às plantações, além de evitar perdas econômicas aos sojicultores. A gerente de Programas de Pragas de Importância Econômica do órgão, Maria Alice Thomaz Lisboa, reforça a importância da proibição como estratégia de controle da praga Phakopsora Pachyrhizi.

“O vazio sanitário objetiva a redução da sobrevivência do fungo causador da ferrugem asiática e a diminuição de esporos desse fungo no ambiente, causando, com isso, o atraso de ocorrência da doença nos plantios. É uma estratégia muito importante, pois quebra a ponte verde que existe de uma safra a outra”, explicou a gerente.

De acordo com a Adepará, o mapeamento das áreas produtoras de soja no estado é essencial para o planejamento das ações de defesa fitossanitária e visa a otimização dos recursos orçamentários, dando condições para execução e planejamento de ações dos programas nacional e estadual do controle da ferrugem asiática da soja. A agência destaca que uma das frentes mais importantes nesse processo é a educação sanitária que realiza, que é fundamental para instruir o produtor sobre o manejo das plantações e notificações de doenças que possam atingir as lavouras.

A educação sanitária é desenvolvida de forma regular, levando ao público ações educativas desenvolvidas com as comunidades e entidades representativas de produtores rurais, além de escolas do meio urbano, feiras agropecuárias, universidades e outros eventos do setor. Segundo a Adepará, essas ações geralmente são elaboradas e executadas em parceria com as comunidades, valorizando a integração.

Para isso, a sua equipe técnica promove capacitações regulares, cuja proposta é conscientizar e sensibilizar agricultores sobre a importância em identificar e notificar doenças como a Fusariose da bananeira, a monilíase do cacaueiro (causada pelo fungo Moniliophthora roreri) e amarelecimento letal das palmeiras. Segundo a gerente de Educação Sanitária da Adepará, Karina Cardoso, as capacitações rotineiras nos municípios são importantes e contribuem para fortalecer a relação da Agência e os produtores.

“São temas que têm relação direta com o dia a dia do produtor, para que ele conheça e se atualizar sobre as doenças que podem atingir suas plantações, assim como proceder, caso identifique qualquer suspeita. É uma oportunidade de ouvir sugestões e ideias dos produtores, para melhorar ainda mais os serviços ofertados pela Adepará em seus municípios”, enfatiza Karina Cardoso.

De acordo com ela, o controle de qualidade, bem como de inspeção, padronização e armazenamento de produtos e subprodutos de origem animal e vegetal, são fatores fundamentais para garantir que os produtos paraenses atendam a exigência do mercado interno e possam competir em preço e qualidade no restante do país. A Agência também promove ações rotineiras de fiscalização, educação sanitária, monitoramento de pragas e doenças, entre outras frentes, para garantir o desenvolvimento sustentável e competitivo do agronegócio.

A Adepará ainda possui programas permanentes na área vegetal, desenvolvidos para garantir a sanidade aos produtos, para que estejam sempre aptos à comercialização. Entre essas atividades está essa de inspeções de pragas nas lavouras de soja e, os programas fitossanitários permanentes: da banana, do cacau e dos citros.

O diretor-geral da Adepará, Jamir Macedo, observa que a agricultura paraense tem papel de grande relevância para o desenvolvimento econômico do estado e, por isso, são tomadas as medidas para prevenção de pragas e melhorar a qualidade da produção. “O Pará tem características geográficas peculiares, que proporcionam o crescimento e expansão de diversas culturas, dentre as quais podemos destacar o rebanho bovino, que supera 21 milhões de cabeças, a produção de cacau e abacaxi, que são as maiores do Brasil, e o avanço crescente dos grãos e soja. Com isso, o Agro ganha força e maiores investimentos, tanto da iniciativa privada como do governo do estado, estimulando o desenvolvimento do setor em todas as etapas da produção de maneira perene e sustentável”, enfatiza Jamir.

Tina DeBord – com informações da Adepará