500 mil fiéis improvisam procissão num Círio sem Berlinda

As celebrações da 229ª edição do Círio foram intensas nos últimos dias na capital paraense
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Cerca de 500 mil romeiros tomaram as ruas e novamente lotaram o trajeto até a Basílica, no Centro de Belém, na 229ª procissão do Círio de Nazaré, no domingo (10). As grossas cordas especialmente encomendadas a um fabricante do nordeste que são atreladas à Berlinda que conduz a imagem milagrosa de Nossa Senhora de Nazaré — um dos símbolos do evento — pelo segundo ano seguido, devido a pandemia da Covid-19, não foi acionada pela Diretoria da Festa. Os fiéis da Santa, improvisaram a romaria de fé e esperança pelo segundo ano seguinte.

Do alto de um helicóptero, a imagem de Nossa Senhora de Nazaré abençoou os fiéis, no segundo ano seguido sem a maioria das procissões devido à pandemia. Só uma das doze romarias tradicionais foi realizada.

Um sobrevoo da imagem às 8h30 do domingo levou a multidão às ruas, que se manteve até a realização do percurso do círio num sobrevoo, a partir das 11h00.

Fiéis pagando promessas e devotos foram às ruas como habitualmente acontece no segundo domingo de outubro de todos os anos. Pequenos comerciantes também estavam lá.

Antes da pandemia, o Círio de Nazaré recebia cerca de 2 milhões de pessoas anualmente, que percorriam o trecho entre a catedral e a praça Santuário de Nazaré.

As celebrações da 229ª edição do Círio foram intensas nos últimos dias na capital paraense. Na sexta-feira (8), a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré percorreu ruas de Marituba e Ananindeua, na região metropolitana de Belém, logo após a missa solene na Basílica-Santuário, no início da manhã.

O trajeto, de 47 quilômetros, é o mais longo e com maior duração de toda a programação, e é seguido por fiéis a pé, de bicicleta, em motos ou carros.

Imagem original da Santa desce do Glória sem o tradicional manto

No sábado (9), depois da pregação na basílica, houve a descida da imagem original de Nossa Senhora do Glória, sem o tradicional manto, que foi levada para fora da igreja para que fiéis que acompanhavam a missa num telão pudessem vê-la.

Caças da Esquadrilha da Fumaça sobrevoaram a Basílica

Caças supertucanos da FAB, pilotados por oficiais aviadores da Esquadrilha da Fumaça, sobrevoaram a Basílica, arrancando aplausos do público.

A transladação, que deixou de ocorrer oficialmente devido ao novo coronavírus, foi celebrada pelos fiéis sem a imagem de Nossa Senhora. O trajeto tem 3,6 quilômetros, entre a avenida Nazaré e a igreja da Sé, que foi interditado pela Semob (Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém) também lotou as ruas com os promesseiros rezando, entonando cânticos religiosos em homenagem à Mãe de Jesus, segurando velas acesas que iluminaram o trajeto.

O percurso é o inverso do realizado na manhã de domingo, e foi marcado por muitas pessoas sem máscaras, justamente o que a Diretoria do Círio quis evitar.

A primeira celebração do Círio de Nazaré ocorreu na tarde de 8 de setembro de 1793. Em 1854, ele passou a ser celebrado de manhã e, desde 1901, a data passou a ser o segundo domingo de outubro.

Val-André Mutran – É correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.