46% dos prefeitos do Pará meteram a mão no dinheiro público com salários; veja onde

Teve deles que chegou ao absurdo de usar mais de 80% da receita com remunerações. E essa nem deve ser a pior situação do estado, já que 90 prefeituras ainda não prestaram informação.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um levantamento inédito realizado pelo Blog do Zé Dudu, a partir de dados oficiais das prefeituras encaminhados ao Tesouro Nacional, mostra que praticamente metade dos prefeitos paraenses gastou mais do que o permitido em lei com servidores durante o ano de 2020. A ideia de cortar e controlar gastos com a folha de pagamento como contrapartida para receber recursos para enfrentamento à pandemia de coronavírus durante o ano passado parece não ter surtido efeito em ao menos 25 dos 54 municípios que consolidaram seu Relatório de Gestão Fiscal (RGF) perante o órgão de controle externo máximo do país.

A situação é dramática. Há prefeitos que usaram mais de 80% da receita líquida arrecadada no ano passado em despesa com pessoal. E o panorama pode piorar à medida que os gestores que perderam o prazo legal sofrerem sanções e, enfim, resolverem mostrar as contas e os gastos públicos efetivados durante o ano passado.

A coisa começa a ficar preta para um prefeito a partir do momento em que ele gasta 54% da arrecadação enxuta (a chamada receita corrente líquida) com pagamento de servidores, segundo indica a Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas o gatilho tem pontapé quando a folha de pagamento da prefeitura toca 48,6%, o chamado limite de alerta. Daí para frente, inicia-se um processo de desalinho e se torna difícil voltar à normalidade. Quando o prefeito usa de 51,3% a 53,99% da receita com o funcionalismo, entra na margem do limite prudencial, e daí para estourar o limite máximo de 54% é um pulo.

Situação pelo estado

A Prefeitura de Mocajuba é, até o momento, a campeã de gastos com pessoal no Pará e uma das mais exageradas do país quando o assunto é meter a mão no dinheiro público para bancar salários. Lá, durante o ano passado, absurdos 82,29% dos R$ 78,17 milhões em receita líquida foram completamente consumidos em proventos e remunerações do funcionalismo. Com esse grau de comprometimento da arrecadação com folha da pagamento, restaram apenas R$ 14 milhões para usar nos serviços essenciais, como saúde, educação, assistência social e infraestrutura. Não à toa, Mocajuba tinha índice de desenvolvimento humano considerado baixo em 2010 e, sem condições de oferecer investimentos em serviços públicos a sua gente, deve continuar oferecendo qualidade de vida ruim à população.

Não muito diferente dessa situação estão os municípios de Augusto Corrêa (74,76%), Afuá (69,49%), Mãe do Rio (68,09%) e Curuá (67,3%). Extremamente dependentes de repasses constitucionais, as prefeituras desses locais gastam valores criminosos, do ponto de vista da Lei de Responsabilidade Fiscal, com servidores públicos. Aliás, a maior empregadora em todos eles é a prefeitura local e a culpa dos gastos elevados não é dos servidores, mas dos gestores que não souberam preparar campo para equilibrar as contas, oferecendo serviços com mais eficiência e menos despesas com pessoal.

No outro extremo, apenas 16 prefeituras, entre as 54 com contas entregues, navegaram águas de tranquilidade fiscal, pelo menos no que diz respeito a gastos com pessoal. A de Canaã dos Carajás é a número 1, já que durante todo o ano de 2020 comprometeu apenas 18,71% de sua robusta receita de R$ 1 bilhão com servidores. Na sequência está a de Parauapebas, que usou 34,76% do faturamento com o funcionalismo.

Também apresentaram excelente grau de ordem e controle nas despesas as prefeituras de Ourém (36,38%), Ananindeua (39,45%), Marabá (42,75%) e Cumaru do Norte (43,3%). A capital paraense, Belém, também faz parte do grupo de prefeituras que encerraram a década passada quite com a gestão de despesas com servidores, uma vez que comprometeu somente 45,25% de sua arrecadação. Confira a situação por município!