Tucuruí: Alunos do Projeto Baja enfrentam dificuldades para realizar projetos e participar de competições nacionais

A equipe do projeto do Campus de Tucuruí da Universidade Federal do Pará (UFPA) é a única no estado. O projeto é considerado o avanço para os alunos de engenharia colocarem em prática o que aprendem em sala de aula, no desenvolvimento de veículos off-road, desde o projeto até a construção e testes
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Parte da turma do Baja do Campus da UFPA Tucuruí

Continua depois da publicidade

Única turma do projeto Baja no Pará vem enfrentando dificuldades para o desenvolvimento de projetos e também para participar de competições nacionais. A turma é do Campus da Universidade Federal do Pará em Tucuruí, no sudeste do estado, formada por alunos de engenharia.

As dificuldades se intensificaram com a chegada da pandemia, quando o Campus e os laboratórios foram fechados. Com isso, os alunos ficaram sem poder trabalhar na construção e no teste do veículo que estão desenvolvendo.

Segundo Sávio Milhomens de Sousa, que faz o quinto semestre de engenharia elétrica e faz parte da equipe, atualmente a turma está trabalhando em home office elaborando projetos e buscando formas de aperfeiçoar o carro que estão desenvolvendo, para otimizar o tempo para quando voltarem as atividades presenciais.

A turma do Baja da UFPA de Tucuruí construindo o protótipo de off-road

Por conta da paralisação, eles também não estão podendo fazer a arrecadação de dinheiro, para participar das competições nacionais. “Normalmente nós organizamos festas/eventos, vendemos churrasco, rifas, lanches na universidade e tudo o que está ao nosso alcance. A procura de investidores e patrocinadores também se tornou difícil devido às medidas de isolamento aplicadas pela quarentena”, ressalta o estudante.

Além de aperfeiçoar o projeto que estão desenvolvendo, o grande desafio dos estudantes é exatamente conseguir dinheiro. “Nosso maior desafio é conseguir dinheiro. Primeiro precisamos pagar a inscrição da próxima competição, que será realizada em 2021. Já conseguimos um bom valor e esperamos conseguir o restante até lá. Outro ponto importante é a comprar as peças e equipamentos necessários para construir o veículo, assim como pagar as despesas com a viagem e o transporte do carro para a competição”, ressalta Sávio.

Por isso, ele lamenta a paralisação devido à pandemia, que acabou retardando as ações da equipe. “O trabalho presencial é sem dúvidas o mais importante, não só para a construção do carro como também para arrecadação do dinheiro e desenvolvimento de outros trabalhos acadêmicos e sociais”, enfatiza.

O estudante destaca que a equipe já está com o projeto estrutural e da parte elétrica prontos, faltando apenas à implantação no carro em si. “Outras áreas técnicas do carro ainda estão em desenvolvimento. Como esse não é o nosso primeiro protótipo, já temos uma base de como será o carro. Estamos agora pesquisando formas de melhorar o desempenho do carro”, adianta.

A próxima competição nacional prevista do projeto está programada para acontecer entre os meses de agosto e setembro do próximo ano na cidade de São José dos Campos, em São Paulo. “Várias equipes de todo o Brasil irão competir e nós somos uma das poucas da Região Norte que irá competir. Nós aceitamos o desafio e estamos buscando representar nosso estado na competição internacional”, acrescenta o estudante.

Projeto Baja– O Baja, como é conhecido, é um programa da SAE (Society of Automotive Engineers) que desafia os estudantes de engenharia a aplicar na prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula a fim de incrementar sua preparação para o mercado de trabalho. Nesse programa o aluno se envolve com um caso real de desenvolvimento de um veículo off road desde o projeto até a construção e testes.

Além disso, o Baja SAE organiza uma competição internacional onde os melhores protótipos de cada país competem para decidir o melhor projeto. O Programa Baja SAE foi criado na Universidade da Carolina do Sul, Estados Unidos, sob a direção do Dr. John F. Stevens e teve sua primeira edição em 1976.

O programa chegou no Brasil em 1994 e logo no ano seguinte ocorreu a primeira competição nacional na pista Guido Caloi, bairro do Ibirapuera, cidade de São Paulo. Desde 1997 a SAE Brasil também apoia a realização de eventos regionais do Baja SAE Brasil, através de suas Seções Regionais. Desde então, dezenas de eventos foram realizados em vários estados do país.

Tucuruí- A equipe Baja Tucuruí foi criada em 2012 pelos alunos de engenharia mecânica do Campus da UFPA. Atualmente, a equipe é formada por 29 dos cursos de engenharia mecânica, elétrica, civil e da computação.

A equipe é dividida em duas áreas: técnica e administrativa. De acordo com Sávio Milhomens, uma equipe cuida dos seis subsistemas técnicos da parte elétrica, freio, estrutura e motor. A outra equipe cuida dos outros subsistemas administrativos que envolvem gestão do projeto, regulamento, marketing, entre outros.

“Apesar de sermos uma equipe nova, já participamos de três competições nacionais nos anos de 2016, 2018 e 2019. Já desenvolvemos três protótipos e estamos projetando o nosso quarto nos inspirando na onça preta com o intuito de conscientizar as pessoas a respeito das espécies da Região Norte ameaçadas de extinção”, desataca Sávio.

De acordo com o estudante, atualmente a equipe conta com o patrocínio da escola online Voitto e da micro-empreendedora da cidade, Simone Castro. Quem quiser colaborar financeiramente com a equipe, pode entrar em contato com o número (94) 99901-3156 ou através da vaquinha online que estão realizando pelo link: https://linktr.ee/bajatucurui.

SAE Brasil – Na competição os alunos devem desenvolver um protótipo de um veículo off road, que é voltado para terrenos acidentados. Os estudantes participam desde a etapa de elaboração do projeto até etapa da construção do veículo com o objetivo de aplicar na prática toda a teoria aprendida no curso. O protótipo de um veículo off-road leva apenas um piloto e é considerado um desafio par estudantes de engenharia de todo o mundo com o objetivo de incrementar sua preparação para o mercado de trabalho.

(Tina Santos)

Deixe seu comentário

Posts relacionados