Três Companhias Docas revertem prejuízo em novo governo

Resultado consolidado de todas as Companhias Docas apresenta melhoria de 17 vezes, segundo balanço do Ministério da Infraestrutura
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Brasília – Levantamento do Ministério da Infraestrutura aponta resultado positivo das docas federais, numa melhoria de 17 vezes no novo governo. Passou de saldo negativo de R$1 bilhão para prejuízo de R$ 58 milhões, o que revela a evolução dos balanços das companhias, de forma geral, entre 2018 e 2019. Três das sete companhias docas federais reverteram prejuízo financeiro em 2019 e passaram a operar com lucro. São elas: A Santos Port Authority (SPA), que administra o Porto de Santos (SP), a Companhia Docas da Bahia (Codeba), que administra os portos de Salvador (BA), Ilhéus (BA) e Aratu (BA), e a Companhia Docas do Pará (CDP), que administra os portos de Santarém (PA), Miramar (PA), Itaituba (PA), Vila do Conde (PA), Belém (PA), Outeiros (PA) e Óbidos (PA). 

Em números absolutos, a CDP passou de prejuízo de R$ 33 milhões, em 2018, para lucro de R$ 35 milhões, no ano passado. Já a Codeba reverteu seu prejuízo de R$ 11,4 milhões para lucro de R$ R$ 9,7 milhões entre os dois anos. Por último, a SPA saiu de prejuízo da ordem de R$ 468 milhões, em 2018, para lucro de R$ 150 milhões, em 2019.

“Isso é resultado de melhoria de gestão, redução das despesas com folha de pagamento, otimização dos contratos, aumento de receita e atualização das tabelas tarifárias,” explica o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni. “Algumas docas que tinham prejuízos há anos conseguiram reverter seus balanços. Além disso, mesmo as que não passaram a operar com lucro, conseguiram evolução em seus resultados financeiros,” destaca.

O levantamento da pasta também mostra crescimento de 1% na movimentação dos portos brasileiros entre os dois anos. Os dados foram consolidados a partir de números da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e das autoridades portuárias, levando em consideração valores até outubro de 2019 e projeções para os meses de novembro e dezembro do mesmo ano.

Ainda segundo o levantamento, 19 terminais tiveram crescimento no volume de cargas movimentadas. Dentre eles está Santarém (PA), que ficou em primeiro lugar e teve crescimento de 30,7%, em 2019. Em seguida, aparece o Porto de Itajaí (SC), com aumento de 23,2% em relação a 2018. Já o Porto de Vila do Conde (PA) ficou na terceira colocação, com aumento de 19,3% no volume de cargas escoadas.

Os graneis sólidos puxaram o crescimento na movimentação no Porto de Santarém e representaram quase a totalidade das mais de 12 milhões de toneladas transportadas em 2019. O mesmo ocorreu com o Porto de Vila do Conde, onde os graneis sólidos representaram 73% do total movimentado no ano passado. Ambos são administrados pela Companhia Docas do Pará ­– uma das companhias que reverteram prejuízo. Entre os produtos mais transportados em Itajaí, estiveram madeira, derivados e frango na exportação, e plásticos, borrachas e produtos químicos na importação.

De acordo com Piloni, os resultados só não foram ainda melhores devido ao rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG), em janeiro do ano passado, o que impactou as exportações de minério de ferro em todo o país. “Além disso, o surto de peste suína na China, principal consumidor da soja brasileira, impactou o volume de grãos exportados ao país asiático,” avalia. Mesmo assim, entre os 19 portos que registraram saldo positivo, houve crescimento de 6,1% na movimentação, que passou de 296 milhões de toneladas escoadas, em 2018, para 313 milhões de toneladas movimentadas em 2019.

Projeções do setor

O horizonte do setor portuário é extenso para 2020. Além do processo de desestatização da Codesa, da SPA, e da administradora do Porto de São Sebastião (SP), o governo prevê a realização de 15 leilões ­– nove terminais portuários já foram qualificados pelo Programa de Parcerias de Investimentos  (PPI). A previsão é que, até 2022, sejam realizados 28 leilões, com investimentos da ordem de R$ 3,8 bilhões.

Por Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília

Publicidade

Posts relacionados