TJPA nega Habeas Corpus a acusado de matar prefeito de Goianésia

Prefeito conhecido como “Russo” foi assassinado quando participava de um velório no centro da cidade
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Agnaldo Peixoto de Alencar, acusado de crime de homicídio em que foi vítima João Gomes da Silva, à época prefeito de Goianésia do Pará, teve o pedido de habeas corpus liberatório negado pelos integrantes da Seção de Direito Penal do Tribunal de Justiça do Pará. O recurso em que requeria sua liberdade, sob o argumento de constrangimento ilegal por excesso de prazo para o começo da instrução criminal, foi apreciado nesta segunda-feira, 23, em reunião colegiada da Seção de Direito Penal, sob a relatoria da desembargadora Maria Edwiges de Miranda Lobato, e negado à unanimidade de votos.

Conforme a relatora, não há incidência de constrangimento ilegal, considerando estar o processo em tramitação normal, com audiência marcada para o próximo dia 9 de maio deste ano. Além disso, a relatora destacou que permanecem presentes no processo os motivos que ensejaram a determinação de prisão preventiva, dentre eles a garantia da ordem pública e a aplicação da lei penal, considerando que o réu estava foragido, sendo capturado em dezembro de 2016, em Terezina, Piauí.

O crime foi cometido em janeiro de 2016, quando o prefeito estava em um velório, no centro da cidade, quando dois homens chegaram em uma moto e efetivaram seis disparos contra João. Agnaldo também responde por tentar contra a vida de Senir Costa Fernandes, que foi atingida na ocasião em que o prefeito foi assassinado.

Santo Antônio do Tauá – Sob a relatoria da juíza convocada para atuar no segundo grau da Justiça paraense, Rosi Maria Gomes de Farias, os julgadores da Seção de Direito Penal, também negaram à unanimidade de votos, pedido de liberdade ao réu Misael Saturnino Brito dos Santos, acusado de crime de homicídio em que foi vítima Raimundo Nunes Farias.

A defesa do réu alegou constrangimento por excesso de prazo para a formação da culpa em instrução criminal, porém, a relatora entendeu não caber razão ao acusado, o qual, conforme a magistrada, contribuiu para a demora no processo, uma vez que permaneceu foragido por alguns anos, sendo preso em março de 2016, na cidade de Porto Alegre do Norte, Estado do Mato Grosso.

Conforme o processo, Misael, instigado por sua esposa e com o auxílio de Reginaldo Lima do Amaral, assassinou a tiros Raimundo Farias. A motivação do crime teria sido um desentendimento entre a vítima e a esposa do acusado, ocasionado por causa de seus filhos. O crime foi cometido em abril de 2005.

Publicidade