Brasil

Senador Siqueira Campos defende a criação de mais 13 estados no Brasil

Tomou posse ontem, terça-feira, 16, como senador da República, o ex-governador do Tocantins e ex-deputado federal Siqueira Campos (DEM-TO). Ele ocupa a vaga deixada pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO), que assumiu cargo no governo do Estado.

Líder que deflagrou o movimento popular pela criação dos estados do Tocantins e do Amapá, durante a Assembleia Constituinte de 1988, Siqueira Campos defendeu, na cerimônia de posse, a criação de mais 13 estados no Brasil.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), transformou a sessão de posse em sessão especial e se disse privilegiado por presidir o Senado em um momento que classificou como histórico.

“Não canso de repetir que este, sim, é o momento histórico de prestígio, de homenagem, de honraria ao homem público que orgulha o estado do Tocantins e todo o Brasil. Muito obrigado por esta oportunidade de estar aqui neste momento”, afirmou Davi.

Em seu discurso, emocionado, Siqueira Campos citou verso do poeta Carlos Drummond de Andrade para dizer como se sente: “Tenho duas mãos e o sentimento do mundo”. O senador afirmou que é preciso ser solidário ao povo brasileiro, especialmente aos pobres. Também defendeu a criação de mais 13 estados, que, segundo ele, seria o mínimo, pois o ideal seria que o Brasil tivesse 50 estados.

“Temos um território imenso. Imaginem que, no Pará, há uma cidade cuja jurisdição é maior que a do estado do Tocantins praticamente. Refiro-me à cidade de Altamira”, disse, sustentando que é preciso mudar essa realidade.

Compuseram a mesa na sessão o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha; o vice-governador do Tocantins, Wanderlei Barbosa; a prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro; o deputado federal Carlos Henrique Gaguim (DEM-TO); e o filho de Siqueira Campos, o ex-senador Eduardo Siqueira Campos.

Eduardo — que atuou no Senado de 1999 a 2007 e atualmente é deputado estadual em Tocantins — fez um discurso emocionado, em que afirmou se sentir um filho do Parlamento, pela história construída por seu pai. Ele disse ainda que aprendeu com o pai o valor do tempo.

“Você enfrenta o tempo, as dificuldades, é um reformista, um inconformado, um brasileiro que, das camadas mais simples, conseguiu representá-las e que sempre me disse: meu filho, aqueles sem nome e sem rosto, é por eles que nós temos que trabalhar. E você fez isso, pai”, afirmou Eduardo.

(Com informações da Agência Senado. Imagem: Marcos Oliveira)

Deixe seu comentário