Semel lança proposta para realização do 1° Copão de futebol indígena Xikrin do Cateté de Parauapebas

A Secretaria Municipal de Esporte e Lazer fez visitas técnicas em onze aldeias da região
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A paixão dos índios pelo futebol pode garantir a eles uma oportunidade de ouro no Campeonato Municipal de 2022. É que a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer tem o objetivo de promover a cultura esportiva em todas as classes e pretende realizar o 1° Copão de futebol indígena Xikrin do Cateté de Parauapebas. A Semel chamou as tribos indígenas na conversa e os diálogos aconteceram durante uma visita técnica até as aldeias, que ficam localizadas a cerca de 400 km do município.

“Viemos aqui a convite do Departamento de Relações Indígenas (DRI) e sabemos do amor aos índios pelo futebol. O Copão vem com essa missão de prepara-los para se tornarem jogadores profissionais como temos na região os Gaviões do Kyikatejê de Marabá. Queremos Parauapebas também no hall de talentos indígenas”, afirmou Abreu Lima, coordenador de esportes rurais e comunidades indígenas da Semel, se referindo ao time do Gavião Kyikatejê, que é da cidade de Bom Jesus do Tocantins, mas vem realizando jogos pelo Parazão 2021 no Estádio Zinho Oliveira, em Marabá.

A viagem foi promovida pelo DRI sendo um bom motivo para apresentarem suas propostas de projetos aos caciques. Atualmente são onze aldeias que são de responsabilidade do governo municipal, e uma vez por ano, elas se reúnem para realizar os Jogos Tradicionais Indígenas, mas agora um novo evento esportivo promete movimentar as aldeias.

A nova gestão da Semel, que conta com Leandro Gambeta como secretário, tem a ideia de colocar os jogos apenas nas aldeias, onde receberão todo o suporte para que as partidas dos indígenas aconteçam, desde reformas dos campos e até a construção de mais quatro espaços para os jogos. A Semel pretende fornecer toda a equipagem aos atletas dos times participantes do Copão como uniformes, chuteiras e bolas.

 “A princípio serão duas modalidades, o futebol e futsal, e duas categorias (feminino e masculino), as equipes serão formadas pelos times amadores que já existem nas aldeias e as competições devem seguir durante sete dias, motivando os indígenas à apresentarem bons resultados. A intenção da secretaria é preparar 20 times indígenas, onde 10 poderão garantir vagas para a 1ª divisão e os demais tentarem a chance na segundinha, mas os resultados do Copão ditarão os resultados”, comentou Leandro Gambeta, secretário municipal de esporte e lazer.

Se tudo ocorrer dentro do previsto os times das tribos poderão ter a chance de se tornarem times profissionais e incluídos no quadro da Liga Esportiva Parauapebas (LEP), atual responsável pela organização do Campeonato Municipal da cidade. A competição do Copão ainda segue incerta, já que para que os jogos aconteçam, os órgãos de saúde precisam liberar, devido às restrições do Covid 19, mas se tudo der certo, esse ano de 2021, o Copão será como um estágio de preparação para os times competirem profissionalmente ano que vem.

 “Ficamos felizes em saber que nossos guerreiros poderão jogar bola, aqui todo mundo gosta de futebol, vai ser muito bom esse campeonato”, agradeceu o cacique Djudjêkô Kamreik Xikrin da aldeia.

Por Fábio Relvas com informações de Cleidi Rodrigues (Comunicação Semel) / Fotos: Ernaldo Morcego)