Semas prevê janeiro chuvoso, com volumes acima do normal em boa parte do Pará

Semas prevê janeiro chuvoso, com volumes acima do normal em boa parte do Pará
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O serviço meteorológico da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) prevê muita chuva no mês janeiro, com volumes acima do normal em boa parte do território paraense. De acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira (3), a Região Metropolitana de Belém (RMB), parte do sudeste, sudoeste e do Marajó serão as áreas mais afetadas pelas chuvas.

A climatologia máxima prevê que sobre a porção norte do sudeste espera-se entre 300 a 400 mm/mês de chuva para janeiro. Para a mesorregião sudoeste podem ter áreas – às proximidades dos municípios de Trairão e Itaituba – que alcancem volumes de 500 mm/mês de chuvas. A mínima prevista para estas regiões é um acumulado em torno de 250 mm/mês.

Sobre o nordeste do Marajó, também podem ter áreas que tenham acumulados de 500 mm/mês. De acordo com a análise da previsão, grande parte do estado do Pará apresenta possibilidade para chuvas acima do normal, o que deve acender o alerta para as equipes de Defesa Civil, devido à possibilidade de enchentes e alagamentos.

Sobre a RMB, leste do Marajó, extremo noroeste da Calha Norte e parte do sudeste e sudoeste paraense os volumes previstos são bem acima do normal. No extremo sul do estado, a previsão indica chuvas dentro da normalidade, exceto pela porção sul da Calha Norte, oeste do Marajó e Baixo Amazonas, onde se espera volumes de chuvas também muito acima do normal.

Dessa forma, aponta o serviço de meteorológico da Semas, a mesorregião do Marajó, RMB, porções leste do nordeste e norte do sudeste, tendem a ter acumulados de chuvas em torno de 500 mm no mês de janeiro, assim como para o extremo oeste do noroeste paraense. Para o restante da Calha Norte e Baixo Amazonas o volume de chuvas esperado para o mês de janeiro é em torno de 350 a 400 mm, assim como para as mesorregiões do sudeste e sudoeste do estado.

Tina DeBord-com informações da Semas

Foto: Bruno Cecim/Ag.Pará