Saiba o que é notícia na Capital do Minério neste início de semana

Prefeitura de Parauapebas anunciou hoje licitação para construção do Centro de Zoonoses e serviços de infraestrutura no Parque das Nações. Em queda, minério entrou na mira da China
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

CENTRO DE ZOONOSES

Agora vai. A Secretaria Municipal de Governo (Segov) tomou a frente e vai providenciar a construção do Centro de Zoonoses de Parauapebas. O valor da obra ainda não foi oficialmente anunciado, mas a comunicação sobre a conferência das propostas comerciais para escolher a construtora do centro foi feita na edição do Diário Oficial da União desta segunda-feira (21). A licitação vai ocorrer no dia 22 de julho, na modalidade concorrência. Leva o contrato quem ofertar o menor preço para erguer o espaço. O Centro de Zoonoses é muito aguardado diante do crescente número de animais errantes pelas ruas e que precisam de acolhimento.

INFRAESTRUTURA NA VS-10

O complexo VS-10 está com a corda toda. Para lá — que já recebeu do governo municipal dois contratos multimilionários de infraestrutura — serão providenciadas drenagem e pavimentação com bloquetes das ruas do Bairro Parque das Nações. A Secretaria Municipal de Obras (Semob) anunciou a licitação nesta segunda e a conferência das propostas será realizada no dia 26 de julho. O valor ainda não foi divulgado. Lá perto já estão em andamento obras similares na avenida principal da VS-10 e ruas adjacentes, bem como em outros bairros que compõem o complexo.

MINÉRIO DE FERRO

Até a China está cansada com os preços elevadíssimos do minério de ferro, cujo produto “spot”, com entrega imediata e referência de 62% de pureza, chegou ao recorde de 230 dólares por tonelada na semana passada, mas caiu forte nesta segunda. O governo chinês abriu investigação para apurar “que onda é essa”, com relação ao movimento que está fazendo a matéria-prima que escora o crescimento do país subir tanto. E qual a importância disso para Parauapebas? Simples: se ficar constatada na investigação que houve irregularidades no mercado da commodity, os preços vão despencar bruscamente e quem produz, como Parauapebas, será prejudicado porque haverá diminuição substancial dos royalties de mineração. Só para lembrar, os royalties são, hoje, 50% da receita robusta da prefeitura. O restante da engrenagem da mineração gera outros 20% da arrecadação, em forma de impostos e taxas. Se a China soprar, Parauapebas tomba de pernas para o ar.

AUDIÊNCIA PÚBLICA DE N3

Por falar em mineração, a Vale já anuncia em seu site a audiência pública virtual para apreciação do Relatório de Impacto Ambiental (Rima) do projeto N3, cujo assunto foi divulgado com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu na semana passada. O evento vai ocorrer no dia 15 de julho, às 18 horas, e é importante para que a sociedade local tenha noção dos rumos de Parauapebas (sem e com mineração). Para as novas cavas foi estimada reserva total de 73,9 milhões de toneladas (Mt) de minério com teor médio de 64,3% de ferro. A Vale quer retirar da mina 10 milhões de toneladas por ano (Mtpa), o que é muito pouco perto da capacidade nominal do conjunto atual (N4E, N4W e N5), de 150 Mtpa. Só dá para 7 anos. Os primeiros trabalhos de pesquisa geológica em N3 foram desenvolvidos no início da década de 1970.

COMOÇÃO POR CHICO DENIS

Parauapebas está até agora sem acreditar na morte do professor Francisco Denis Gomes, de 30 anos, que perdeu a batalha ontem, domingo (20), para o coronavírus no estado de São Paulo. “Chico Dênis”, como ele mesmo se apresentava nas redes sociais, era professor de História concursado pelo município e estava em licença para cursar mestrado. Ex-alunos dele, muitos hoje cursando faculdade, movimentaram as redes sociais de Parauapebas no domingo para lamentar o precoce falecimento do educador, conhecido por seus comentários ácidos e divertidos e conselhos amorosos irreverentes no Instagram.

Deixe seu comentário

Posts relacionados