Reservatórios das hidrelétricas estão prestes a atingir mínimo histórico

Há risco de apagões caso regime de chuvas atrase o abastecimento dos reservatórios
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
A crise hídrica foi agravada com o fenômeno La Niña, que ocasiona a diminuição de chuvas em boa parte do Brasil

Continua depois da publicidade

Brasília – Uma audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados debateu, nesta quarta-feira (8), a crise hídrica e a capacidade de geração de energia naquela que já é considerada a maior estiagem em 91 anos. Segundo informações de representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a capacidade geral dos reservatórios das usinas hidrelétricas pode ficar abaixo do mínimo de 19% registrado na crise de 2014. Hoje, está em 28,8%. Especialistas presentes na audiência disseram que o governo agiu tarde diante da falta de chuvas.

Gentil Nogueira, da Aneel, disse que a redução da capacidade abaixo de 19% ainda está dentro das possibilidades de operação do sistema e que o governo tem tomado medidas para contornar a crise. Ele explicou que o sistema hidrelétrico Sudeste/Centro-Oeste gera 70% da energia desta fonte, mas que hoje os seus reservatórios estão com 20,91% da capacidade.

O técnico da Aneel afirmou que o aumento da quantidade de linhas de transmissão de 2001 para cá permite que seja levada energia do Nordeste, que está com uma capacidade mais alta, para o restante do país. Ele explicou que o uso de usinas térmicas começou em outubro de 2020 e que 99 novas usinas de vários tipos estão na pauta para este ano. Uma delas, a GNA1, no Rio de Janeiro, entra em operação ainda este mês. Enfatizou, no entanto, que 750 usinas eólicas do país, por exemplo, geram menos que a usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

Luiz Pinguelli Rosa, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse que o governo demorou e só acionou mais térmicas em maio deste ano. Segundo ele, o acionamento imediato das termelétricas pouparia a água dos reservatórios e custaria menos, porque seria possível ligar antes as que geram energia mais barata.

O deputado Hildo Rocha (MDB-MA) concordou com a visão de que o governo demorou: “Tinha conhecimento, desde o ano passado, de que essa crise hídrica se instalaria, tendo em vista o fenômeno La Niña que ocasiona a diminuição de chuvas em boa parte do Brasil. Isso já era esperado. E o que fez o ministro? Nada. Ficou parado,” criticou.

Hildo Rocha criticou a demora do governo em agir

Para Guilherme Bianco, da Casa Civil, a falta de água é a maior em mais de 90 anos e a sociedade tem que participar dos esforços para sair da crise: “De passar para a sociedade utilizar de forma mais racional o chuveiro elétrico, também o ferro de passar, o ar-condicionado de suas casas… Porque isso faz muita diferença para o país,” apontou.

Para Ikaro Chaves, do Coletivo Nacional dos Eletricitários, a crise não é só hídrica, mas energética – isso porque deveriam ter sido feitos investimentos para que a crise fosse evitada. Segundo ele, a medida tomada pelo governo, de premiar quem reduzir o consumo em 10% nestes últimos quatro meses do ano, beneficia quem consome mais: “Principalmente as famílias mais pobres, essas não vão ter como reduzir porque muitas vezes a pessoa tem uma geladeira, uma televisão e três ou quatro lâmpadas na casa. Então vão deixar de consumir o que? Não tem mais aonde reduzir o consumo”.

O também professor da UFRJ Maurício Tolmasquim, outro convidado da audiência, disse que o benefício de 50 centavos por cada quilowatt economizado só virá em janeiro de 2022, o que deixará o cidadão que reduz o consumo confuso ao ver que sua conta vai subir de qualquer jeito por causa da bandeira de escassez hídrica. Somente os inscritos na tarifa social de energia não pagarão a conta extra.

Tanto Luiz Pinguelli Rosa quanto Ikaro Chaves criticaram a privatização da Eletrobras durante a crise energética. Segundo Chaves, a empresa tem R$ 20 bilhões em caixa para investir; sendo que o preço de venda está estimado em R$ 23 bilhões. O deputado Leo de Brito (PT-AC) disse que pretende elaborar uma Proposta de Fiscalização e Controle para questionar aspectos da privatização.

Por Val-André Mutran – de Brasília