Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Projeto Salobo vai contratar 3.700 trabalhadores a partir deste ano

Vale aguarda apenas liberação da licença de instalação para mobilização de mão de obra já a partir deste ano
Continua depois da publicidade

A mineradora Vale corre esperando apenas a licença de instalação para iniciar as obras do Salobo III, a segunda expansão do projeto que está encravado em terras marabaenses, que só este ano injetou nas contas da prefeitura local mais de R$ 50 milhões (entre janeiro a setembro) com a Cfem (Compensação Financeira pela Exploração Mineral). Para a empresa, será ótimo porque a ampliação do beneficiamento irá incrementar a produção de cobre na mina do Salobo e viabilizar o beneficiamento do minério de baixo teor.

Para a Prefeitura de Marabá, a boa notícia, a médio prazo, é que a arrecadação com ISS (Imposto Sobre Serviços) deverá mais que duplicar durante a fase de obras, que está prevista entre os anos de 2018 a 2021. Encerrada esta etapa, começa o período áureo de produção de cobre (e também de ouro) e os repasses ao município vão aumentar, uma vez que a Vale planeja elevar a produção de 24 milhões de toneladas/ano para 36 milhões de toneladas.

Para a fase de obras da expansão do Salobo, a Vale não divulgou ainda o valor a ser investido, mas consultores que atuaram nas duas primeiras etapas deram uma pista à Reportagem sobre o volume de recursos a ser empregado neste projeto. Lembram que na primeira fase a empresa desembolsou U$ 2,5 bilhões para construir toda a estrutura, incluindo estrada, ramal ferroviário, linhão de energia, entre outros. Na segunda fase, foi empregado U$ 1,7 bilhão. Agora, calcula-se, que o investimento seja entre U$ 1,3 a U$ bilhão.

A Vale terá uma demanda adicional de energia elétrica da ordem de 58 MW, com utilização da estação existente e uma nova subestação principal. Também vai instalar um mega gerador a diesel de emergência de 300 kVA; captação de água recuperada na Barragem do Mirim (cerca de 3.600 m³/hora e reservatório dedicado de 22.000 m³.

Uma infraestrutura de apoio para desenvolver essas obras deverá ser montada, com acesso ao Projeto Salobo pela Estrada Paulo Fonteles, gerando um tráfego estimado em 150 veículos por dia, concentrado no trecho entre os alojamentos do projeto e a mina do Salobo.

A mineradora projeta gerar mais 3.700 empregos diretos e, durante o período de operação, a partir de 2021, serão gerados 800 novos empregos diretos, os quais se somarão aos 3.500 empregados que já trabalham nas plantas do Salobo I e II.

Na última semana, cinco engenheiros da Vale compareceram à reunião ordinária do Conselho Consultivo da Floresta Nacional Tapirapé Aquiri para apresentar o projeto Salobo III. Fizeram uso da palavra Michelle Matos de Souza, Patrícia Seabra, Andreya Teixeira, Vitor Pimenta e Rodrigo Garrocho. Este último fez apresentação técnica do projeto e os demais ajudaram a tirar dúvidas dos membros do Conselho.

A mineradora alega que não haverá aumento da capacidade de lavra, e que utilizará a mesma rota de processo da instalação já existente e mesma quantidade de minério e estéril da mina existente. Atualmente, parte do minério é estocada para processamento futuro. Com a fase III do Salobo, este minério será enviado diretamente para beneficiamento. “Dessa forma, haverá uma redução da quantidade de minério estocado, que é de aproximadamente 220 milhões de toneladas”, explicou Rodrigo Garrocho.

Veja também:  Mercado de Trabalho de Parauapebas tem melhor setembro da história

MAIS DINHEIRO EM MENOS TEMPO

No estágio atual de retirada de minério, a empresa calcula que o cobre acabe em 2066. Mas, com a nova expansão, a expectativa reduz para 2051, o que significa que serão 15 anos a menos em relação ao anunciado inicialmente, restando 33 anos de exploração de minério e, consequentemente, fim do pagamento de royalties.

Outro dilema é o ambiental. Quando a Vale colocar as mãos na licença de instalação, ela recebe junto uma autorização para supressão da vegetação, podendo derrubar 97 hectares de floresta nativa. Isso equivale a riscar do mapa 97 campos de futebol da flora, mas, claro, sempre com impactos na fauna, embora a empresa seja obrigada a apresentar um plano de coleta e afugentamento dos animais que estiverem naquela área.

Os engenheiros ambientais da Vale disseram que foram realizados estudos ambientais prévios na área onde será implantada a terceira fase do Salobo, com levantamentos espeleológicos e arqueológicos, levantamentos de impactos e proposições de medidas de controle, realização de inventário florestal e valoração de produtos florestais madeireiros e não madeireiros.

97 CAMPOS DE FUTEBOL A DESMATAR

A empresa deu entrada de protocolo no Ibama em maio deste ano, solicitando autorização para realizar a supressão (desmatamento) de 97,34 hectares na área destinada à ampliação, o que representa uma área do tamanho de 97 campos de futebol.

Atualmente, segundo a empresa, a Vale faz a gestão de 38 licenças e 493 condicionantes do Projeto Salobo junto à Agência Nacional de Águas, Ibama, ICMBio e Semas (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade).

Entre os desafios levantados pelos conselheiros estão: o que fazer com a cava quando acabar a mineração em 2051 e o que fazer com a montanha da pilha de estéril?

O gestor da Flona Tapirapé Aquiri, André Macedo, revelou que o Ibama encaminhou, em 6 de setembro, documentos para Brasília para que o Instituto Chico Mendes avalie os impactos que serão causados e emita um parecer. Em breve esse documento será enviado a Marabá e, só então, eles poderão avaliar de forma mais precisa todos os impactos. “Vamos discutir essa demanda com o Conselho Consultivo para emitirmos nosso parecer”, garantiu.

E OS EMPREGOS?

Os políticos de Marabá precisam chamar a Vale urgentemente para conversar e colocar alguns pontos na mesa. Entre eles, discutir a contratação de mão de obra para a fase de obras e para a produção. Isso é importante porque a empresa poderá contratar a maior parte de Parauapebas, como aconteceu nas fases anteriores, em função da proximidade da mina e usina de beneficiamento.

É preciso saber, também, se não haverá audiências públicas para avaliar, junto com a sociedade, os impactos socioambientais que virão.

Ulisses Pompeu – de Marabá

Comentários ( 60 )

  1. Olá, estou na expectativa para a contratação, e se possível nos avisem quando sairá o certame para avaliação de curriculum.
    Grata.
    Eliana Priscila A. Silva

  2. Meu nome é Gilson Pereira da Silva desejo se candidatar a uma vaga de emprego na Vale meu telefone é o DDD 88 9 9799 86 26 Esse aí é o número do Whatsapp também obrigado e tenha uma boa noite

  3. Gostaria de contribuir com as seguintes informações: A Vale publica semanalmente as vagas em seu site. E geralmente a consultoria responsável pela seleção de pessoas é a RH Banco de Gente em Parauapebas . A consultoria tem Instagram e Facebook.

  4. Boa noite,sou tecnico em geologia e mina sênior adorei o projeto e gostaria de me candidatar a uma vaga nesta conceituada empresa.Desde já agradeço pela atenção.Att.: José Wilson de Oliveira e Silva. Telefone:084 98611.4953 – whats-App.

  5. eu quero sim 1 vaga de emprego no projeto salobo em parauapebas pará como eu faço pra me enviar meu curriculo
    meu whatsapp é o mesmo contato 094992772835

Deixe uma resposta