Prefeitura de Marabá tenta atrair médicos com pacote de R$ 6,4 milhões

Governo de Tião Miranda diz encontrar dificuldades para fazer contratação direta de médicos e, por isso, abriu o credenciamento. Conselho de Saúde deu aval a processo, mas está de olho
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Enfrentando dificuldades para contratar médicos, o governo de Tião Miranda não se fez de rogado e lançou um credenciamento milionário para contratar junta que preste serviços na modalidade de clínica geral, com vistas ao atendimento a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no Hospital Municipal de Marabá (HMM). O credenciamento das empresas interessadas começou segunda (26) e vai até o próximo dia 4. A Prefeitura de Marabá está oferecendo a “bagatela” de R$ 6,377 milhões pela prestação de serviços.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui. O Blog apurou que a contratação da prestadora de serviços foi endossada pelo Conselho Municipal de Saúde de Marabá, que, entretanto, condicionou a seleção a uma reavaliação após seis meses de vigência do contrato e comprometimento da gestão municipal em discutir com os trabalhadores da saúde a política salarial da categoria, entre outras reivindicações.

A prefeitura fez cotação junto a quatro diferentes prestadores de serviços para chegar ao valor médio mensal ofertado no processo. A empresa Unidos Serviços Médicos cobrou R$ 507 mil, enquanto a Gestamed declarou que pega a empreitada por R$ 521 mil. Já a empresa Madre Tereza faz o serviço por R$ 537 mil. Por seu turno, a empresa Luminus cobra cerca de R$ 560 mil. A diferença de preço entre os diferentes prestadores de serviços pode chegar a 10,5%. A soma das cotações dividida por quatro chega a R$ 531.395,85, que é o preço médio orçado para o credenciamento.

Escassez de profissionais

De acordo com a administração de Tião Miranda, sua gestão tem buscado incansavelmente suprir a falta de médicos clínicos para o HMM, problema que se arrasta há anos e que foi agravado pela pandemia de coronavírus, já que a escassez de profissionais já é comum em todo o território nacional.

A Prefeitura de Marabá lembra que realizou processo seletivo para contratação de médicos, mas que não obteve êxito no preenchimento das vagas, não suprindo, portanto, sequer a rede primária. “O serviço prestado pelos médicos é essencial para o HMM, sendo este o único hospital público de ‘porta aberta’ ao atendimento de urgência, emergência e pronto atendimento do município de Marabá e que atende, ainda, pacientes dos municípios circunvizinhos”, justifica o governo de Tião Miranda.

Vale lembrar que, conforme o artigo 196 da Constituição, a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.