Polícia federal prende presidente da CNI, na operação Fantoche

Esquema envolve contratos com o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S, que teriam desviado mais de R$ 400 milhões
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir
Presidente da CNI, Robson Braga Andrade, foi um dos presos na Operação Fantoche.

Continua depois da publicidade

Brasília – A operação Fantoche, deflagrada pela Polícia Federal, prendeu na última terça-feira (19) o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade. Há meses estavam em curso investigações de um suposto esquema de corrupção envolvendo contratos com o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S.

A Polícia Federal suspeita que foram desviados valores acima de R$ 400 milhões que beneficiaram uma família proprietária de um grupo de empresas que, desde o ano de 2002, realizava contratos com o ministério e entidades que compõem o Sistema S, dentre as quais a CNI.

Contratos superfaturados ou sequer realizados despertaram a atenção das autoridades, que prosseguem nas investigações. Foram cumpridos 10 mandados de prisão e outros 40 de busca e apreensão. Todos são acusados de crimes contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos.

Robson Braga foi preso em Brasília e chegou à Superintendência da Polícia Federal por volta das 9h30, onde deve prestar depoimento. A ação investiga fraudes em contratos entre as empresas do Sistema S com o Ministério do Turismo. De acordo com a PF, uma empresa mantida pelo mesmo grupo familiar fraudou contratos firmados com as empresas do grupo e o ministério. A maior parte dos contratos irregulares está voltada à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados e/ou com inexecução parcial.

Os recursos eram desviados posteriormente para a empresa de direito privado sem fins lucrativos. Robson assumiu a presidência da CNI em 2010, sendo reeleito em 2014 e 2018. O mandato dele à frente da entidade tem validade até 2022. Ele foi um dos primeiros a ser preso pelas equipes policiais.

Robson também foi presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). Engenheiro mecânico, ele também preside a Orteng Equipamentos e Sistemas Ltda, sediada em Minas Gerais.

Val-André Mutran – É correspondente de Brasília.
Publicidade

Relacionados