Polícia Civil distribui brinquedos e cestas básicas a crianças carentes em Parauapebas

Em ação social que se repete ano a ano, servidores da 20ª Seccional Urbana fizeram a alegria de vários bairros carentes da cidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em homenagem ao Dia da Criança, comemorado ontem, terça-feira, 2 de outubro, servidores públicos e colaboradores da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas distribuíram presentes para crianças de bairros carentes da cidade e também cestas básicas às famílias que passam por vulnerabilidade financeira.

A ação social ocorreu durante todo o dia nos bairros Tropical I e II, Ipiranga e Vila Nova, e tem como objetivo aproximar a criança e o cidadão dos órgãos de segurança pública, reforçado assim o elo entre a comunidade e a polícia.

Com apoio de três veículos policiais e e veículos particulares, delegados, escrivães, investigadores e servidores lotados na 20ª Seccional, se dirigiram as ruas dos referidos bairros, onde realizaram a alegria da garotada.

Além de brinquedos, cestas básicas, doces e guloseimas os agentes de segurança pública fizeram a criançada feliz, ao receber, das mãos dos servidores, um ou dois brinquedos. Em algumas casas, os olhos clínicos dos policiais observaram que ali faltava mais alguma coisa e entregaram também uma cesta de alimentação.

A dona de casa Anna Tavares, moradora do bairro Ipiranga, disse ter ficado feliz por ver seus três filhos receberem brinquedos. “Eu achava que a Polícia Civil só realizava o papel de polícia. Agora vejo que ela também faz um pouco do social”, constatou.

João Ferreira, do Bairro Vila Nova também se sentiu grato com a ação social da Polícia Civil. “Tenho dois netos e confesso que eu estava me sentindo um pouco triste, pois, este ano eu não tive condição de comprar brinquedos para meus netos. Mas ao ver eles recebendo brinquedo das mãos dos policiais, meu coração saltou de alegria. Imagine o coraçãozinho deles. Eu agradeço aos policiais por lembrar da gente aqui nesse bairro”, frisou João.

(Caetano Silva)