Polêmicas entre os rivais Clube do Remo e Paysandu Sport Club esquentam os bastidores

Leão e Papão vão decidir o Parazão 2020 em dois jogos que já estão gerando polêmicas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Antes mesmo da bola rolar nas quatro linhas para a final do Campeonato Paraense 2020 entre Clube do Remo e Paysandu Sport Club, o clima nos bastidores vem esquentando durante a semana. A primeira polêmica é que o mandatário do Papão, Ricardo Gluck Paul, vem alegando que o Leão Azul está com dois jogadores irregulares atuando no Parazão, sendo eles Marlon, lateral-esquerdo, e Tcharlles, atacante. O time bicolor afirma que não vai permitir os dois atletas azulinos em campo na decisão e a diretoria alviceleste já contratou o advogado Marcelo Jucá, ex-presidente do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) do Rio de Janeiro.

“Em relação ao prazo de inscrição, a FPF fica tranquila até porque não houve mudança de regulamento. Entendemos que a rodada vou desmembrada, antecipada. Quando ela é antecipada você não pode trazer prejuízo para o prazo de inscrição. A tabela ajustada estava com toda a 10ª rodada jogada na quarta-feira, se você antecipa não pode trazer prejuízo para as equipes que ainda tenham condições de inscrever jogadores, até por exemplo, na terça-feira, que seria o prazo definido para os nomes saírem no BID”, afirmou Paulo Romano, vice-presidente do FPF, que está convicto quanto a legalidade dos dois jogadores do Remo.

Além das possíveis irregularidades envolvendo dois atletas azulinos, outra polêmica que já vem causando desconforto entre os rivais, é a questão da arbitragem para as duas partidas decisivas. A Federação Paraense de Futebol (FPF) se pronunciou afirmando que não vai bancar sozinha a arbitragem da FIFA de fora do estado, com a cúpula do Papão se demostrando contra a FPF e alegando que a casa do futebol do Pará teria um recurso que foi dado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para arcar com as despesas do Parazão. Por outro lado, o Clube do Remo é favor da arbitragem local para os duelos decisivos.

“A gente entende que os árbitros locais estão preparados para fazer os dois jogos e acreditamos que vamos votar em reunião que será decidida se vamos apontar árbitros locais ou de fora, mas em nossas conversas preliminares, entendemos que deve ser árbitros do Pará. Em relação aos jogadores, o presidente Fábio Bentes vai fazer uma coletiva e vai mostrar todos os pontos, que o Remo não tem nenhuma irregularidade de jogadores inscritos e estão aptos para os jogos”, disse Dirson Medeiros, diretor de futebol do Clube do Remo.

A Federação Paraense de Futebol (FPF) confirmou as datas das finais do Parazão para os dias 02 e 06 de setembro, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. Os bastidores estão esquentando e para muitos que acompanham o dia a dia, ambos querem vencer por alguns detalhes que cercam a disputa, entre eles é que se o Remo vencer, se torna tricampeão paraense e iguala ao número de títulos do rival Paysandu. Segundo detalhe, é que o presidente Fábio Bentes, do Leão Azul, ainda não conseguiu vencer nenhuma partida do rival, enquanto o mandatário Ricardo Gluck Paul, do Papão da Curuzu, não conquistou nenhum título estadual.

Por Fábio Relvas / Foto: Samara Miranda

Publicidade