PF deflagra Operação “Sesmarias” para combater grilagem de terras no Pará

A operação foi deslanchada na manhã desta quarta-feira (12), nos municípios de Araguaína e Palmas, no Tocantins, e em Brasília. Estima-se que a organização criminosa tenha arrecadado mais de R$ 1 milhão entre os anos de 2018 e 2020 com o esquema ilegal
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Agentes analisam documentos apreendidos na Operação “Sesmarias”

Continua depois da publicidade

Na manhã desta quarta-feira (21), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação “Sesmarias”, com o objetivo de desvendar um esquema criminoso envolvendo a grilagem de terras públicas dentro da Terra Indígena Ituna-Itatá, localizada nos municípios de Altamira e Senador José Porfírio, no sudoeste do Pará.

De acordo com a PF, estão sendo cumprindo quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de Araguaína e Palmas, no Tocantins, e em Brasília (DF). Ainda segundo a Polícia Federal, a organização criminosa atuava na invasão da área federal com restrição de uso, promovendo a doação e venda (em troca de dinheiro ou serviços) de lotes de área pública com intenção de formar um assentamento e consolidar a ocupação de não indígenas na área, mediante a formação de uma vila (intitulada de Vila Nova Canaã ou Vila Boa Esperança), com comércios e promessa de construção de escolas e igrejas, na tentativa de dar aparência de legalidade e legitimar as posses, além de incentivar a criação de uma associação para viabilizar o intento criminoso.

Estima-se que a organização criminosa tenha arrecadado com o esquema criminoso mais de R$ 1 milhão entre os anos de 2018 e 2020. Os investigados serão indiciados pelos crimes de estelionato (art. 171, §2º – Código Penal), organização criminosa (art. 2º – Lei 12.850/2013), invasão de terra pública (art. 20 – Lei 4.947/1966), lavagem de capitais (art. 1º – Lei 9.613/1998) e desmatamento de floresta nativa (art. 50-A – Lei 9.605/1998).

Tina DeBord- com informações da PF

Foto: Polícia Federal