PF deflagra Operação “Cacurí” contra exploração sexual infantil pela internet no Pará

A operação foi realizada, na manhã desta terça-feira (9), em três municípios do estado, onde foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (9), a Operação “Cacurí” para investigar crimes relacionados ao abuso e exploração sexual infantil pela internet no Pará. Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão na residência de investigados nas cidades de Abaetetuba, São Francisco do Pará e Ananindeua.

A PF destaca que tem como prioridade o combate aos crimes relacionados ao abuso e à exploração sexual infantil, visando identificar vítimas vulneráveis e prender abusadores fazendo cessar o cometimento de tais ações. “Ressalta-se a importância da participação da sociedade ao denunciar toda e qualquer forma de violência praticada contra crianças e adolescentes”, frisa a Polícia Federal.

Com as ações de hoje, a PF ressalta que, somente no ano de 2021, já foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão contra esse tipo de crime no estado. Os mandados foram cumpridos nas cidades de Baião, Moju, Vigia, Ananindeua, Abaetetuba, São Francisco do Pará e Belém.

Também foram cumpridos 10 mandados de quebra de dados telemáticos, realizadas duas prisões em flagrante e uma prisão preventiva, além da identificação e resgate de quatro vítimas vulneráveis abusadas sexualmente. Se confirmada a hipótese criminal, os investigados poderão responder pelos crimes de armazenamento (art. 241-A do Estatuto da Criança e Adolescente), que prevê pena de um 1 a 5 anos de prisão; e armazenamento de pornografia infantil (art. 241-B do ECA), com pena de 1 a 4 anos de prisão.

Esses crimes possuem penas máximas que, se somadas, podem chegar a nove anos de prisão. As investigações seguem em andamento.

Segundo a PF, o nome da operação remete a uma armadilha indígena usada para pegar peixes.

Tina DeBord- com informações da PF