PF deflagra duas operações nesta quarta-feira no Pará

Uma das ações é sequência da operação “Tudo Nosso e nada deles”, que investiga uma associação criminosa especializada em fraudes a procedimentos licitatórios cometidos em municípios do sudeste do Pará. A outra é contra pornografia infantil
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Operação “Não Há Anonimato” investiga crime de pornografia infantil

Continua depois da publicidade

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (14), duas operações simultâneas no Pará. Uma é o desdobramento da Operação “Tudo Nosso e nada deles”, que investiga uma associação criminosa especializada em fraudes a procedimentos licitatórios cometidos em municípios do sudeste do Pará. A outra, realizada em Belém e região metropolitana, investiga crime de pornografia infantil.

Na segunda fase da Operação “Tudo Nosso e nada deles”, foi dado cumprimento a um mandado de prisão preventiva e dois de busca e apreensão nas cidades de Marabá e Tucuruí. Um servidor municipal foi afastado de suas funções.

Durante a operação foram apreendidos R$ 52 mil em espécie, além do bloqueio de R$ 8 milhões das pessoas físicas e jurídicas investigadas. Ainda foi apreendida uma arma de fogo por porte ilegal.

O alvo do mandado de prisão em Marabá foi Charles Pereira Macedo, que já tinha sido preso na primeira fase da operação, deflagrada no dia 22 de setembro. Ele ficou apenas cinco dias preso devido à prisão ser temporária, diferente do novo mandado, que é preventivo.

Em Belém e região metropolitana foi deflagrada a terceira fase da Operação “Não Há Anonimato”, que envolve 22 policiais federais, que deram cumprimento a cinco mandados de busca e apreensão.

A ação tem objetivo de combater a pornografia infantil e pedofilia disponibilizadas na Internet. A Justiça Federal também autorizou a quebra do sigilo de dados telemáticos dos envolvidos.

Os crimes investigados são o de disponibilização de pornografia infantil e o de armazenamento de pornografia infantil, tipificados no CPP.

(Tina Santos- com informações da Polícia Federal)